quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

terça-feira, 3 de dezembro de 2013

Grande é a Festa Natalina Essa festa é para Jesus!




 Flauzineide Moura Machado
Inspirada no texto que recebi por e-mail em 2009
Meu aniversário (Aniversário de Jesus) – autor: Desconhecido 

Vivi festas natalinas
Lá não citaram Jesus,
Ele não foi convidado
E não viram sua luz
Não conseguiram lembrar
Nem também valorizar
Quem por nós morreu na cruz.

Eram festas tão bonitas
Arvores piscando luz,
Lindo presépio encantado
E na parede uma cruz,
Bebidas pra todo gosto,
Trazendo também desgosto,
Mas esqueceram Jesus.

Havia diversos pratos,
Espumantes, “tira gosto”.
 E todos se admiravam
Daquele banquete exposto.
Mas, Jesus que é essencial
E o motivo principal,
Nesse evento não foi posto.           

A festa é para Jesus
Noite de Nosso Senhor
Então por que comemoram
Essa data sem louvor?
Vamos então repensar
Ao Deus menino louvar
E lhe ofertar nosso amor

Vamos todos festejar
A data com muita paz,
Santas leituras e amor
União que satisfaz,
Buscando quem nos conduz
Para nos encher de luz
Isto tudo nos apraz.

Façamos uma festa simples
Evitando ostentação
Pra que todos participem
Em paz, amor e união,
E lembrem-se de verdade
Quem nos traz felicidade
É o nosso grande irmão.

Ao tomarmos providências
Para a festa triunfal
Façamos lista completa
Com todo material,
A Bíblia vindo na frente,
Com uma leitura evidente
Fortalecendo o Natal         

Vamos nos dar um presente
Nós a Deus vamos louvar!
Grande vai ser essa festa,
Jesus nos fará cantar,
Nosso homenageado
O principal convidado
Fará a festa brilhar.

Noite feliz de verdade
Cheia de paz harmonia
Noite de felicidade
De amor e muita alegria
Onde reinará a bondade
Nessa festa de igualdade
E de grande parceria.

Há bastante tempo espero
Ver mudar o celebrar,
Diminuírem as farras
E a Jesus comemorar
Este SER é divinal  
E o motivo principal
A ele devemos honrar.

Vamos a partir de hoje
Reforçar as orações,
Pedir bênçãos, harmonia
Vigiar as emoções,
Buscar a felicidade
Caminhar com lealdade
E pulsando os corações

Nessa noite tão brilhante 
Deve haver muita união,
Agradarmos a Jesus
Abraçar ao nosso irmão,
Pois a noite é de alegria
De júbilo, de euforia
E também de devoção.

Noite de abraçar crianças,
Dar carinhos aos doentes,
Conversar com os idosos
De visitar os carentes,
Promover somente o bem
Sentir o valor que ele tem,
São preciosos presentes.

Viver de bem com a vida
Nos alegra e satisfaz,
Dedique tempo pra isto
Tenha a consciência em paz,
Quer ver mesmo se é verdade?
Oferte felicidade
E veja o bem que ela traz.

A vida passa ligeiro
Aproveite este natal
Seja feliz por inteiro
Isto é bem essencial,
Busque a presença de Deus
Compartilhe com os seus
E seja um ser divinal.

A pureza: Deus menino
Virá nos contagiar
Nesse dia e nos demais,
Ao próximo vamos amar,
Assim seremos felizes
Crescendo como aprendizes
Nesse nosso caminhar.

Não custa nada adorar
Ao nosso Jesus menino
A grande bênção de Deus
Que saudamos com um hino
Belo momento que faz
A gente ficar em paz
Com nosso Jesus divino.

Nesse dia vinte e cinco
Que é um dia especial
Com carinho eu me preparo
Para a noite de Natal.
Contagiante alegria.
E com bastante harmonia
Canto um som angelical.

Não devemos esquecer
Nosso querido Jesus,
Nem tão pouco ignorar
A quem nos livrou da cruz.
Veio pra nos amparar,    
E também pra nos salvar 
Nos trazendo sua luz!

É bom vivermos em paz
Com muito amor e harmonia
Refrigerar nossas almas
Nesse nosso dia a dia.
E nesse Natal ditoso
Seja você bem zeloso
Com as festas desse dia

Se dependesse de mim,
Alguma coisa eu mudar
Nesse nosso conviver
Eu queria trabalhar:
E somaria as bondades,
Subtrairia as maldades
Pra todos a Deus amar.

Seria um mundo de paz
Cintilando com amor,
Um mundo cheio de bênçãos
Perfumado como a flor,
Teria muita verdade
Só momentos de bondade,
E vidas em resplendor!

Por certo seria fácil
Nesse mundo conviver
Todo mundo era feliz
Não havia padecer,
Era um mundo de alegria
De amizade e de poesia
Enfeitado de saber.

Eu sei, tu sabes, ele sabe:
Bom é amar por igual,
Viver pleno de alegria
A ninguém fazer o mal
Quem quiser mudar a vida
Exercite sua lida
Nesta noite de natal.

Não sabemos se estamos
No meio ou no fim do mundo,
Mas tem uma coisa certa
Existe ser infecundo
Que em todo seu caminhar
Nunca para pra pensar
Nesse momento profundo.

O natal é a grande festa,
Tempo de muita emoção
Vamos viver alegrias
Em corrente de oração,
Viver sempre em harmonia
Caminhando com alegria
Com bastante devoção.

Eu peço a Deus e desejo
Que esse texto seja eleito
Que Jesus o abençoando
Faça dele um preceito
Pra nossa vida mudar
E a gente assim caminhar
Neste mundão imperfeito.

Se fizermos nossa parte
Nossa vida vai mudar
Exercitando a bondade
A gente aprende a se amar
Com toda felicidade
E respeitando a igualdade
É mais fácil caminhar

Faça o exercício de amar
Que precisa ser constante
É gostoso de fazer.
Repitido a todo instante
Pois nos faz sentir prazer
Melhora o nosso viver
Faz-nos feliz o bastante

Lá se vem o ano novo
Vamos todos repensar
As emoções do Natal
Precisam perpetuar...
Que esse dia tão ditoso
Seja também generoso,
Possa nos contagiar.

Façamos, da vida, festa
Junto ao menino Jesus
Pedindo bênçãos a Deus
Recebendo sua luz
Na alegria ou na tristeza
Que eles sejam fortaleza
E a força que nos conduz

Feliz natal para todos
Ótimo ano novo também
Que essas festas lhes iluminem
E lhes façam muito bem
Que o nosso Jesus menino
Junto com os anjos, em hino
Lá do céu digam Amém.


Revisão Rosa Régis - Presidente da Academia de Cordel/RN

Para mim é sempre Natal, em minha vida Jesus se faz presente todo dia...
Feliz aniversário de Jesus!
Feliz 2013! 
Feliz 2014

Flauzineide
Aprendiz de cordelista

 Cristã, nativa de Areia Branca, (antiga Ilha das Maritacacas) RN, filha de Francisco Marques de Moura e de Maria Eulália de Moura, viúva de Alderí Machado, mãe de Alderí Filho, Mona Lisa, Kelycia, e avó de Ana Eulália, João, Ana Beatriz e Ana Ester.

domingo, 27 de outubro de 2013

Registro do lançamento do CD de Gorete Alves



Poesia



Luz sonora



Música, música, música,

Vem me encantar,

Meu canto é pranto,

Eu triste sonho a chorar.



Cantando tua letra,

Ao som da melodia,

Minha alma vazia,

Cria ânimo para viver.



Vencer, ser forte, ser nobre,

Me encantar com tuas notas

Que voam que nem aves,

Soltas pelo ar.



Tua luz sonora,

Invade meu ego;

Para alívio de minh’alma,

Meu peito acalma.

Meu céu, meu sonho, meu mar.

Flauzineide Moura Machado
Livro Poética Minha - 2002


quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Do livro Poética Minha - 2002


 
Tento renascer
Flauzineide Moura Machado

Nasceu o sol.
Eu já madura
Tento renascer,
Com esperança,
Coragem,
Vejo a felicidade
Ao amanhecer.
São novas razões 
Que me fazem sonhar.
Já raiou a aurora,
E a minha história
Eu quero mudar.
Viver, cantar, amar,
Não mais sofrer,
não mais chorar,
Ser feliz,
Esse é meu lema.
Sinto no meu íntimo
O criador do Universo.
O Senhor meu Deus 
Vai me ajudar.

quinta-feira, 3 de outubro de 2013

Cultura na Praça J. da Penha em Angicos/RN

 Poetisa Bianca Morelles em ação...

Veja mais aqui:
http://carlocosta.blogspot.com.br/

XIII Concurso Nacional PoeArt de Literatura – 2013 HOMENAGEM A UM RENOME DE NOSSA LITERATURA Inscrições até o dia 20 de outubro de 2013 (Preferencialmente pela INTERNET ou pelos Correios)


XIII Concurso Nacional PoeArt de Literatura – 2013
HOMENAGEM A UM RENOME DE NOSSA LITERATURA
Inscrições até o dia 20 de outubro de 2013
(Preferencialmente pela INTERNET ou pelos Correios)


   A PoeArt Editora institui o XIII Concurso Nacional PoeArt de Literatura – 2013 (depois do sucesso dos  primeiros, que resultaram nas Antologias Poéticas de Diversos Autores, Vozes de Aço, do volume I ao volume XIV e das Coletâneas Século XXI, volumes I, II, III  e IV – que homenageia a grande poeta Olga Savary pelos seus 80 anos de vida), para premiar autores de ambos os sexos, maiores de dezoito anos, amadores ou profissionais, somente residentes no país, nas categorias: Poesia Verso Livre e Soneto, em língua portuguesa, tendo como objetivo principal a descoberta de novos autores e o intercâmbio cultural entre os participantes.
  
   Ao efetuar a sua inscrição, o autor estará concordando com as regras do Concurso, e, se selecionado, autorizando a publicação dos trabalhos no livro Vozes de Aço – XV Antologia Poética de Diversos Autores – 2013. Em caso de cópia indevida e demais crimes previstos na Lei do Direito Autoral, será responsabilizado judicialmente.

Tema e Apresentação:
- O tema é livre em ambas as categorias.
- Cada autor poderá inscrever até três OBRAS por categoria, cada uma em uma página, inéditas ou não, máximo de até 30 versos cada – as que se excederem e tiverem erros serão desclassificadas -, fonte Times New Roman, corpo 12, digitadas somente em um dos lados da folha, onde deverá constar o título de cada poesia. Não é necessário pseudônimo. Se for enviar pelos correios:
- Uma via de cada trabalho, no mesmo envelope, mais um CD com as poesias gravadas e uma foto de perfil recente em alta resolução.
- Em anexo um envelope menor, lacrado, sem qualquer identificação do lado de fora, contendo:
- Nome completo, nº do RG, nome do concurso, títulos dos trabalhos, endereço completo, dados biográficos
(no máximo dez linhas), telefone e e-mail.

- As obras que chegarem sem esses dados não serão consideradas inscritas.
- Todos os trabalhos enviados (selecionados ou não) serão incinerados, após a divulgação do resultado.

Forma de Inscrição:

  As obras deverão ser enviadas (preferencialmente pela INTERNET para: poearteditora@gmail.com) ou pelos correios, para: PoeArt Editora: Caixa Postal: 83967 – Cep: 27255-970 – Volta Redonda – RJ.

Premiação:

   Os cinco melhores poemas de cada categoria serão publicados sem qualquer ônus no livro Vozes de Aço – XV Antologia Poética de Diversos Autores – 2013 e cada um dos cinco autores de cada categoria premiados receberão 3 exemplares da obra pelos direitos autorais, diploma e sua foto no livro.

  Os demais autores concorrentes serão convidados a participar do livro pelo sistema de cooperativismo.

APOIADORES CULTURAIS: Grêmio Barramansense de Letras, Academias de História e Letras de BM, TEATRO GACEMSS, A imprensa escrita e virtual, Vitor Contabilidade, Gráfica Drumond, Colégio Garra Vestibulares, Câmara Municipal de Volta Redonda, Reprográfica Barrense DENTRE OUTROS...

Jean Carlos Gomes / Organizador e Editor Contatos: 24 - 9993-0615 | 33457252
 SOMENTE à Noite


Clevane Pessoa de Araújo Lopes
Membro da REBRA_Rede Brasileira de Escritoras.
Representante do Movimento Cultural aBrace-Brasil;Uruguai
Vice Presidente do Instituto de Imersão Latina-IMEL.
Embaixadora Universal da Paz -Cercle de Ambassadeurs Univ.de la Paix-Genebra, Suiça,
Consultora de Cultura da Associação Mineira de Imprensa-AMI.
Membro da Rede Catitu de Cultura; do virArte, da ONE, da SPVA/RN, da CAPORI,  da APPERJ,e do PEN Clube de Itapira.
Colaboradora da ONG Alô Vida. .
Membro Honorário de Mulheres Emergentes
Divulgadora e Pesquisadora do MUNAP_Museu Nacional da Poesia
Dama da Sereníssima Ordem da Lyra de Bronze
Acadêmica da AFEMIL-Academia Feminina de Letras; da ALB/Mariana;
Acadêmica Correspondente da ADL, ANELCARTES, ATRN, AIL,  ALTO, da Academia Pre-andina de Artes, Cultura Y Heráldica; Academia Menotti del Picchia

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Divulgando Poeta Francisco Cândido (Berto)

A “contina” do bem te vi
Poeta Francisco Cândido (Berto)

Sinhá Marica amanheceu virada,
Aluada e com os calcanhar pra trás
Foi correndo atrás de uma bicada
Lá pras bandas da feira do Brás.

Antes, com o quengo virado,
Ela brigou com o bem te vi
Que amanheceu espritado,
Fazendo um enrolado ti,ti, ti.

E assim, feito barata tonta,
Iniciou um dialogo inusitado
Na língua de quem não é santa.
Pense como ficou arretado!

O bem te vi, bem te viii!
- Viu o que, fio duma egua?
Foi bem a cabeça do jabuti.
- Por que você não se enxerga?

E o bem te vi, bem te viiii!
- Cale a boca, bico de fole.
- Ouça o cantar do colibri
Seu cara de rola mole!

Bem te vi, bem te viii!
- Oh, bicho agourento!...
Devia morar no Buriti
Cheio de cachorro sarnento.

O bem te vi, bem te viii!
Tá pensando que viu o quê?
Chega nem perto da juriti,
Seu cara de caxinguelê.

Por acaso me viu nas intimidades,
Na cama, deitada com seu Mané?
Se Zé souber dessa infidelidade
Você vai ser refeição pro jacaré!...

Cale a boca, está roendo?
Mané só me deu um rolé
E lhe deixou sofrendo?
Imagino se fosse o Caboré.

Ele vira e mexe
Remexe e volta
Vai fundo e mexe
E só me acho na volta.

Bem te vi, bem te viii!
Oh, bicho frechado
Parece um cú de sibiti,
Só quer ser arrochado.

Vamos terminar essa prosa
Maldosa, fria e sem apreço
Mas Sinhá Marica fica dengosa
E chorosa de cair o beiço.