quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Hilda Melânea - "A poeta Furacão" - Poetisa potiguar de Natal/RN.

O sol repousa no céu,


O sol repousa no céu,
no embalar de um carrocel,
e enfeita as cores do amor
num iluminar de esperança,
o amor não mede distancia
onde a vida tem mais cor.

Cintila a relva verdejante
e o desejo dos amantes
transmite força e energia,
a tardinha o sol declina
onde a vida e o amor fascina
com mais vigor e alegria.

Colore as gotas de orvalho
as lindas flores nos cascalhos
nas altas rochosas montanhas
o arco-iris no horizonte
reflete no céu deslumbrante
na mais brilhante artimanha.

No silencio a paz sonhada
anunciando a alvorada
com mais amor e harmonia
as passaradas cochilam
as estrelas no céu cintilam
enquanto amanhece o dia.

Dorme felizmente as flores
num mundo de sonhos e cores
sonahando com o beija- flor
exalando seu perfume
a beleza causa-me ciúmes
mais transmite muito amor.

A noite se faz poesia
onde a nostalgia brisa fria
faz os amores sonhar
e neste grande amor constante
sem dores sem murmurar.

A lua tão clara e dourada
contempla as estrelas enamoradas

num luar de grande esplendor
batem fortes os corações
num embriagar de ilusões
onde a poesia faz a rima do amor.

 
Hilda Melânia - poeta furacão
membro da SPVA/RN

O louvor é um caminho para Deus... Vamos?



Espirito Santo
Fernanda Brum
Composição: Eyshila


Espírito Santo ore por mim
Leve pra Deus tudo aquilo que eu preciso
Espírito Santo use as palavras
Que eu necessito usar mas não consigo
Me ajude nas minhas fraquezas
Não sei como devo pedir

Espírito Santo
Vem interceder por mim
Todas as coisas cooperam pra o bem
Daqueles que amam a ti

Espírito Santo vem orar por mim
Estou clamando, estou pedindo
Só Deus sabe a dor que estou sentindo
Meu coração está ferido
Mas o meu clamor está subindo.



Desconheço o crédito da foto, por isso não divulguei.
Saiba mais aqui:









"A Pintura Ingênua da Mozinha"



MOZINHA MINHA MÃE
NA PRIMAVERA DA MELHOR IDADE
A PINTAR TELAS EM MEU CORAÇÃO

O IFRN-Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte - Campus Avançado Cidade Alta, a SPVA/RN – Sociedade dos Poetas Vivos e Afins do Rio Grande do Norte, através do Projeto “Cesta Cultural”, convidam Vossa Senhoria e família para o vernissage da exposição “A PINTURA INGÊNUA DE MOZINHA” da artista plástica apodiense Mozinha Viana, que será realizado às 19h do dia 30 de Setembro, nos jardins do IFRN, Campus Cidade Alta, situado na Av. Rio Branco, 743 Centro, Natal-RN.



Fotos: Dluca

Com maiores detalhes aqui:

Maria Antonia Bezerra da Silva - Poetisa de Carnaubais radicada em Areia Branca/RN.



Castelo de palavras
Maria Antonia Bezerra

Construí com alegria,
Um castelo diferente,
de alicerce colorido,
e com paredes inteligentes.

Mas, que castelo seria esse...
Todo feito de alegria,
De palavras brincalhonas,
Nesse castelo ter serventia?

Digo que é um castelo poema,
Que inventei certo dia,
É feito de sonhos e saudades,
Que minha alma alivia   


Mais sobre Maria Antonia?
 visite esse site se gostar siga:






segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Mateus 7- versos 1 a 29. Deixo essa citação para que possamos refletir antes de julgar as aparências que nem sempre é como vemos, os julgamentos as vezes podem nos levar a pensar errado, contemos até 10 antes de julgar ou falar mal de alguém para não cometermos injustiça. "Porque com o juízo com que julgardes sereis julgados, e com a medida com que tiverdes medido vos hão de medir a vós".


 

O juizo temerário

Mateus 7- versos 1 a 29


1 - Não julgueis, para que não sejais julgados.


2- Porque com o juízo com que julgardes sereis julgados, e com a medida com que tiverdes medido vos hão de medir a vós.


3 - E por que reparas tu no argueiro que está no olho do teu irmão, e não vês a trave que está no teu olho?


4 - Ou como dirás a teu irmão: Deixa-me tirar o argueiro do teu olho, estando uma trave no teu?


5 - Hipócrita, tira primeiro a trave do teu olho, e então cuidarás em tirar o argueiro do olho do teu irmão.


6 - Não deis aos cães as coisas santas, nem deiteis aos porcos as vossas pérolas, não aconteça que as pisem com os pés e, voltando-se, vos despedacem.


7 - Pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e encontrareis; batei, e abrir-se-vos-á.


8 - Porque, aquele que pede, recebe; e, o que busca, encontra; e, ao que bate, abrir-se-lhe-á.


9 - E qual de entre vós é o homem que, pedindo-lhe pão o seu filho, lhe dará uma pedra?


10 - E, pedindo-lhe peixe, lhe dará uma serpente?


11 - Se vós, pois, sendo maus, sabeis dar boas coisas aos vossos filhos, quanto mais vosso Pai, que está nos céus, dará bens aos que lhe pedirem?


12 - Portanto, tudo o que vós quereis que os homens vos façam, fazei-lho também vós, porque esta é a lei e os profetas.


13 - Entrai pela porta estreita; porque larga é a porta, e espaçoso o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela;


14 - E porque estreita é a porta, e apertado o caminho que leva à vida, e poucos há que a encontrem.


15 - Acautelai-vos, porém, dos falsos profetas, que vêm até vós vestidos como ovelhas, mas, interiormente, são lobos devoradores.


16 - Por seus frutos os conhecereis. Porventura colhem-se uvas dos espinheiros, ou figos dos abrolhos?


17 - Assim, toda a árvore boa produz bons frutos, e toda a árvore má produz frutos maus.


18 - Não pode a árvore boa dar maus frutos; nem a árvore má dar frutos bons.


19 - Toda a árvore que não dá bom fruto corta-se e lança-se no fogo.


20 - Portanto, pelos seus frutos os conhecereis.


21 - Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus.


22 - Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitas maravilhas?


23 -E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniqüidade.


26 - Todo aquele, pois, que escuta estas minhas palavras, e as pratica, assemelhá-lo-ei ao homem prudente, que edificou a sua casa sobre a rocha;


25 - E desceu a chuva, e correram rios, e assopraram ventos, e combateram aquela casa, e não caiu, porque estava edificada sobre a rocha.


26 - E aquele que ouve estas minhas palavras, e não as cumpre, compará-lo-ei ao homem insensato, que edificou a sua casa sobre a areia;


27 - E desceu a chuva, e correram rios, e assopraram ventos, e combateram aquela casa, e caiu, e foi grande a sua queda.


28 - E aconteceu que, concluindo Jesus este discurso, a multidão se admirou da sua doutrina;


29 - Porquanto os ensinava como tendo autoridade; e não como os escribas.

Dizem que um convidado convida 100. Recebi este agradável convite e estou convidando todos os que gostam de "Seresta" e de Assu, a mesma acontecerá dia 10/09 em Assu/RN, será um momento especial e o convite está lançado para todos...

domingo, 28 de agosto de 2011

Meu grande agradecimento à Academia Feminina de Letras e Artes de Mossoró- AFLAM, que me presenteou com o "Diploma de Sócia Amiga da AFLAM". Muitíssimo obrigada a todas as acadêmicas, saibam que para mim foi uma grande honra, agradeço principalmente a Deus por esse reconhecimento. Para Deus toda glória!



Quer saber mais sobre a AFLAM/RN?
Visite



Obrigaaaaada à AFLAM!
Fiquei muito feliz pela homenagem,
Flauzineide

***

IX JORNADA CULTURAL DO MUSEU DO SERTÃO



Data: 27 de agosto de 2011 (sábado)
Local: Museu do Sertão
Fazenda Rancho Verde - Estrada de Alagoinha - Km 4, Mossoró-RN
Horário: 8:00 - 17:00 horas


PROGRAMAÇÃO


07:30 horas: Missa de Ação de Graças pelo aniversário do Prof. Benedito Vasconcelos Mendes.
Celebrante: Padre Antônio Maurício Melo
8:00 - 12:00 horas - SESSÃO SOLENE


Presidente: Benedito Vasconcelos Mendes - Diretor do Museu do Sertão


1. MOMENTO DA ACADEMIA MOSSOROENSE DE LETRAS - AMOL
Presidente: Élder Heronildes da Silva
Entrega de diplomas de Sócio Correspondente da AMOL aos seguintes intelectuais:


- Paulo Macedo
- Diógenes da Cunha Lima
- Enélio Lima Petrovich
- Dorian Gray Caldas
- Anna Maria Cascudo Barreto
- Vicente Serejo


Entrega de diplomas aos Sócios Fundadores da Academia Mossoroense de Letras.
2. MOMENTO DA ACADEMIA FEMININA DE LETRAS E ARTES MOSSOROENSE - AFLAM

1 Presidente: Maria Conceição Maciel Filgueira
2 Entrega de diplomas às novas sócias


3 Lançamento do periódico da AFLAM.
4 Lançamento da Plaquete sobre, "A posse de América Rosado na ACADEMIA NORTE-RIOGRANDENSE DE LETRAS (ANL)
5 Entrega de diplomas de Sócias, Amiga da AFLAM às seguintes personalidades :



- Herbert de Souza Vieira
- Flauzineide de Moura Machado
- Karenine Fernandes
- Drª Maria Fátima Azevedo
- Maria Lucineide Dias de Oliveira Nogueira
- Drª Maria Oscalina Maciel Cavalcante
- Rejane Serejo
- Drª Sonia Umbelino Mendes


3. MOMENTO DA ACADEMIA APODIENSE DE LETRAS - AAPOL

Presidente: Marcos Antônio Pinto
Entrega de diplomas de Sócio Correspondente da Academia Apodiense de Letras às seguintes personalidades:


- Ministro Ubiratan Aguiar
- Ex-Governador Lúcio Gonçalo Alcântara
- Poeta José Maria Barros Pinho
- Padre Antônio Maurício Melo
- Escritor Zélito Nunes Magalhães
- Intelectual Antonino Melo


4. MOMENTO DA ACADEMIA MAÇÔNICA DE LETRAS DO RIO GRANDE DO NORTE

Presidente: Geraldo Maia


5. MOMENTO DO INSTITUTO CULTURAL DO OESTE POTIGUAR - ICOP



Presidente: Antônio Clauder Alves Arcanjo
Entrega de diplomas de Honra ao Mérito aos senhores:
- Paulo de Tarso Correia de Melo
- Milton Marques de Medeiros
- Jerônimo Dix-Sept Rosado Maia Sobrinho


6. MOMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE MOSSORÓ
Presidente: Vereador Francisco José da Silveira Júnior
Entrega do Título de Cidadão Mossoroense ao Ministro Ubiratan Aguiar.


7. MOMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE ARACATI-CE
Representante da Câmara Municipal de Aracati-CE: Vereador José Raimundo Calixto Pinheiro


Comunicação da aprovação do Título de Cidadã Aracatiense à professora Susana Goretti Lima Leite.


8. MOMENTO DE CONFRATERNIZAÇÃO
14:00 horas - Almoço
15:00 - 17:00 horas - Visita ao Museu do Sertão

Convite para todos os amantes das letras.

Convite
A escritora e professora universitária,
Drª MARIA CONCEIÇÃO MACIEL FILGUEIRA e o jornalista Paulo Macedo têm o prazer de convidar o(a) prezado(a) amigo(a) e família para o lançamento do seu livro "Eloy de Souza: uma Interpretação sobre o Nordeste e os dilemas das secas".

O evento tem o patrocínio da Academia Norte-riograndense de Letras.
Data: 06 de Setembro de 2011
Horário: 19:00 horas
Local: Academia Norte-riograndense de Letras
Endereço: Rua Mipibú, 443 - Tirol
Natal

Espaço aberto à Academia Feminina de Letras e Artes de Mossoró - AFLAM/RN para quem eu dedico minha homenagem de hoje. PARABÉNS à toda equipe pelo compromisso e competência, essa faz e acontece. Para vocês mulheres maravilhosas minha admiração e flores, muitas flores por todas as suas essências...

 

Hoje eu abro esse espaço para enaltecer as ações da Academia Feminina de Letras e Artes de Mossoró – AFLAM, que vem se destacando cada vez mais. Bastante atuante realiza eventos literários, artísticos e culturais com brilhantismo na cidade de Mossoró. A AFLAM é também muito participativa em vários eventos daquela região, tudo isso se dá pelo dinamismo e competência de sua presidente, Drª Maria Conceição Maciel Figueiredo e sua equipe gestora. Parabéns à Ceição, mulher de fibra e batalhadora pelo bem comum, e parabéns à Socorro Cavalcante, que é Presidente de Honra da AFLAM e coordenadora /administradora do site da referida academia. Socorro desenvolve seu trabalho com dinamismo, responsabilidade e competência. Ambas são escritoras potiguares de Mossoró/RN.

Visite o site da AFLAM:


Nesta foto:
 Drª Maria Conceição Maciel - Presidente da Academia Feminina de Letras e Artes de Mossoró -AFLAM/RN, Flauzineide(momento da palestra sobre o projeto "Difusão da LiteraturaFeminina Potiguar em Mossoró) e Socorro Cavalcante - Presidente de Honra e administradora do site AFLAM, ao lado do banner da Presidente da Academia Feminina de Letras do RN, escritora e poeta, Zelma Furtado .

Hoje me deu uma saudade de minha infância em Areia Branca, busquei meu livro Plenitude e encontrei na página "Apresento-lhes as ondas do meu mar" esses saudosos poemas que compartilho com vocês...



Praia de Upanema em Areia Branca/RN -
créditos da bela foto é de Mona Lisa Moura Machado


Reencontro

Bailavam, suave, ao meu ver,
Lentas, espumantes ao derramar.
Vindas, idas,
A praia as embalava, 
Apresento-lhes as ondas
Do meu mar.
A noite quase escura
Apenas a lua a iluminar,
Deixando-me a paz, e a alma pura,
Eram as ondas do meu mar.
Não as ondas da minha meninice,
Mas eram
As ondas do mesmo mar,
Mar sereno,
Bonito de ser ver.
O tempo passou...
Já era dia,
Suas ondas, seu azul
Seu festejar.
As ondas, eram músicas sonoras
Aos meus ouvidos.
Em meu repouso
Feliz...
Eu a contemplar;
Sua paz,
Seu recado,
Seu ruído,
Sua brisa
A me contagiar.

***

Mar Da Meninice

Aquele mar que falei
Da minha infância
Ainda está lá.
Aquele barquinho
Que estava no mar
Da infância
Ainda está lá.
As jangadas,
Estão lá.
As ondas do mar
Que vêem umas pós outras
São iguais
Como na mesma cena,
As da lembrança,
Da saudade
Da minha infância
Onde brinquei
Com as ondas
Naquele mar.
Apenas uma coisa mudou,
Foi a saudade
Essa aumentou,
Trazendo tristeza, emoções,
Lacerando uma ferida
Que foi feita
Em frente
Ao mar.
Aquele mar
Das minhas emoções,
Puras e singelas emoções
Das saudades
Da minha infância
Ô! Saudade...

***
És Meu Cantar

Por mais que busque
Viver o presente
São fortes as lembranças
Do meu lugar.
Meu passado,
Minha praia,
Minha infância,
Minha gente,
Minha mente vibra feliz a recordar.
São fortes as lembranças
Do meu mar,
De minha terra querida,
Do sal do meu lugar,
Do sol da minha praia,
Das noites de luar.
Por mais que busque
O presente,
É na lembrança
Que acalento
A saudade
De minha terra querida,
Areia Branca, tu és meu cantar!

(Esse aqui acima está lá na Praça da Cultura no Canto do Mangue-Rocas/ Natal/RN, junto a outros de escritores potiguares esse foi um momento onde recebi uma homenagem dos organizadores dos eventos do Espaço Cultural - Canto do Mangue.)
  

 Eu escolhi "És meu cantar" para enaltecer minha terra berço, mas tenho ainda outra terra mãe adotiva muito amada, é minha cidade Angicos terra querida onde convivo desde meus 13 anos.

*

Blogs da Areia Branca, se quiser saber mais sobre essa cidade.
Visite-os 



Hoje conheci esse e adorei! 

***
Encerro esta postagem relembrando uma bricadeira inocente do meu tempo de criança lá em minha terrinha que dizia assim:

"Hoje é domingo
Pé de cachimbo
O cachimbo é de ouro... e por ai vai

***

O SENHOR É MEU PASTOR; NADA ME FALTARÁ... Sl 23 verso 1

Bom dia!!!

sábado, 27 de agosto de 2011

Salmo 23 versos 1 a 6 - Apenas creia. Nosso Deus é fiel...

 1 - O Senhor é o meu Pastor, nada me faltará.


2 -  Deitar-me faz em verdes pastos,
guia-me mansamente às águas tranqüilas;


3 -  Refrigera a minha alma,
guia-me pelas veredas da justiça por amor do seu nome,


4 - Ainda que eu andasse pelo vale da sombra da morte
não temeria mal algum, porque tu estás comigo,
a tua vara e o teu cajado me consolam;


5 - Preparas uma mesa perante mim na presença dos meus inimigos, unges a minha cabeça com óleo, o meu cálice transborda;


6 - Certamente que a bondade e a misericórdia
me seguirão todos os dias de minha vida,
e habitarei na casa do Senhor por longos dias.

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

"A Escola Estadual Alfredo Pegado fez uma homenagem à literatura feminin a potiguar. Parabéns à competente Diretora Arilda com suas lindas crianças. A cordelista Sírlia Lima veio prestigiar nosso evento. Nós agradecemos!"

Homenagem à Escritora e poetisa Lúcia Helena Pereira

A Diretora Arilda com sua amada Escola Estadual Alfredo Pegado do bairro de Mãe Luiza, e as crianças, em "Cortejo Literário"

Homenagem à Escritora Salizete Soares

Homenagem à poetisa Flauzineide

************

E assim caminharam, a "Quadrilha Literária" de Arilda, alunos do bairro de Mãe Luiza,   s(amo muito vocês) e as Lúcias Heleninhas, Salizetinhas, Flauzineidinhas e tantas outras escritoras.


Fotos e informações do site da Escola Estadual Izabel Gondim, obrigada à esta amada escola

Vejam mais visitando este site:

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Convite da Daluzinha para vocês “Oficina de Contação de Histórias”



Inscrições no SIEC (6º andar da Secretaria de SAÚDE) para esta nossa OFICINA que acontecerá dentro da PROGRAMAÇÃO DO AGOSTO DA ALEGRIA, no SOLAR HÉLIO GALVÃO, 27 e 28 de agosto, das 9 às 17h, tudo absolutamente grátis, inclusive as refeições, DALUZINHA VAI AMAR VER VOCÊS por lá...

Maiores informações no FONE 3232-2580.


BJO no ♥


Daluzinha

terça-feira, 23 de agosto de 2011

O primeiro livro de Moisés chamado GÊNESIS. Vamos compartilhar?

Capítulo 4- versículos 1 a 24



O nascimento de Caim e Abel


1- E conheceu Adão à Eva, esta concebeu
e deu à luz a Caim, e disse:
Alcancei do Senhor um homem.


2- E deu à luz mais a seu irmão
Abel; e Abel foi pastor de ovelhas,
e Caim foi lavrador da terra.


3- E aconteceu ao cabo de dias
que Caim trouxe do fruto da terra
uma oferta ao Senhor.


4- E Abel trouxe dos primogênitos
das sua ovelhas, e da sua gordura;
e atentou o Senhor para Abel e para
sua oferta.


5- Mas para Caim e para sua oferta
não atentou. E irou-se Caim forte-
mente, e descaiu-lhe o semblante..


6- E o Senhor disse a Caim:
Por que ti iraste? E por que
descaiu-lhe o teu semblante?


7- Se bem fizeres, não é certo
que serás aceito? E se não fizeres bem,
o pecado jaz à sua porte, e sobre ti
será o seu desejo, mas sobre ele
deves dominar


O primeiro homicídio


8- E falou Caim com o seu irmão
Abel; e sucedeu que estando eles no
campo, se levantou Caim contra o seu
irmão Abel, e o matou.


9- E disse o Senhor a Caim:
onde está o teu irmão Abel? E ele
disse: Não sei; sou eu guardador do
meu irmão?


10- E disse Deus: Que fizeste? A voz
do sangue do teu irmão clama a mim
desde a terra.


11- E agora maldito és tu desde a terra,
que abriu a sua boca da tua mão o
sangue do teu irmão.


12- Quando lavrares a terra não te dará
mais a tua força; fugitivo e vagabundo
serás na terra.


13- Então disse Caim ao Senhor:
E maior a minha maldade que a que
possa ser perdoada.


14- Eis que hoje me lanças da face
da terra, e da tua face me esconderei;
e serei um fugitivo e vagabundo na
terra, e será que todo aquele que
me achar, me matará.


15- O Senhor, porém, disse-lhe: Portanto
qualquer que matar a Caim, sete vezes
será castigado. E pôs o Senhor um sinal
em Caim, para que o não o ferisse qualquer
que o achasse.


16- E saiu Caim de diante da face do Senhor,
e habitou na terra de Node, do lado
oriental do Éden.


17- E conheceu Caim a sua mulher, e ela
concebeu, e deu à luz a Enoque; e ele
edificou uma cidade, e chamou o nome
da cidade conforme o nome de seu filho
Enoque;


18- E a Enoque nasceu Irade, e Irade gerou
a Meujael, e Meujael gerou a Matusael
e Matusael gerou a Lameque.


19- E tomou Lameque para si
duas mulheres;o nome de uma era Ada,
e o nome da outra era Zilá.


20- E Ada deu à luz a Jabal; este foi o pai
dos que habitam em tendas e têm gado.


21- E o nome do seu irmão era Jubal;
este foi o pai de todos os que tocam
harpa e órgão.


22- E Zilá também deu à luz a Tubalcaim;
mestre de toda obra de cobre e ferro;
e a irmã de Tubalcaim foi Noema.


23- E disse Lameque às suas mulheres
Ada e Zilá: Ouvi a minha voz; vós mulheres
de Lameque, escutai as minhas palavras;
porque eu matei um homem por me
ferir e um jovem por me pisar.


24- Porque sete vezes Caim será castigado;
mas Lameque setenta vezes sete.





domingo, 21 de agosto de 2011

Daluzinha Avlis, uma contadora de histórias... Vejam essa maravilhosa em forma de poesia.


Desde sempre a Daluzinha, encanta-se com a poesia

Das Annas,
Antonias, Auzhês, que
colocam sentimento
Como Biancas, Ceicinhas e Cleuzes,
toda hora, todo dia
Nas palavras com harmonia, no
silêncio de um momento
Com eterna magia, Clevanes,
Fátimas e Fernandas, vão...
Criando versos tão doces, cheios
sempre de ternura, e de forte
emoção
Geraldas, Gildas e Helenas nos
guiam pelos caminhos da paz
Pois poesia é carinho, é verdade, é beleza,
e é sempre muiiiiiiiiiiiiiito mais...

Roubam-nos suspiros, nos doam
sonhos, quem se faz mulher menina
Como as Hildas, Janias, Lécias,
Lieges, Lúcias e tantas outras Marias
Que escrevem há pouco tempo, ou
desde ainda, bem pequeninas
Por vezes semeiam sentidas
lágrimas, em outras espalham
alegrias...
Falar de nossas poetisas, como de
Ninitas e Nísias, é falar de
sol poente
Pois como Rosineides, Shannyas e
Socorros, todas me deixam contente
Enriqueço-me lendo Ritas,
Tathiannis, Vanias, Vivis, e Zelmas,
pois
Para fazer poesias, estão sempre
prontas no agora, nunca deixam pra
depois...
Claro que fui injusta, já que muitas
poetisas, aqui não pude citar

Mas Deus nos mandou um anjo,
chamado FLAUZINEIDE, que faz com
amor de criança:
Lindo e indelével, cheio de fé,
travessuras e esperança
Um Projeto cheio de luz, a DIFUSÃO
DA LITERATURA FEMININA POTIGUAR

Visitem o BLOG www.divulgadoralíterocultural.blogspot.com
conheçam o trabalho maravilhoso de nossas poetisas.
E por falar em beleza associada a solidariedade a DALUZINHA recebeu de seu ♥♥♥ AMIGO JORGINHO PINTO, O MELHOR CALÍGRAFO DO BRASIL ♥♥♥ este recadinho:


O Hospital Mário Penna em Belo Horizonte que cuida de doentes de câncer, lançou um projeto sensacional que se chama "DOE PALAVRAS". Fácil, rápido e todos podem doar um pouquinho.Você acessa o site http://www.doepalavras.com.br/, escreve uma mensagem de otimismo, curta (como twitter) e sua mensagem aparece no telão para os pacientes que estão fazendo o tratamento. Olha, é muito linda a reação de esperança dos pacientes. Daí a Daluzinha está pedindo que nossas POETISAS participem, e estimulem em seus blogs os nossos conterrâneos participarem...


A Daluzinha sempre dá um jeitinho de incluir nas mensagens, que ela é de Natal...
Vamos doar um pouquinho de nosso carinho pelo ser humano?

**********
Postado por Daluzinha Avlis em seu blog em 2010


****************

Era uma vez uma menina sapeca chamada Dalva, que sempre teve com objetivo promover belos sorrisos nas pessoas de seu convivio, antes era em estética agora é nas almas. As crianças a adoram, os adultos também.
"Flauzinha"

Saiba mais sobre essa eterna menina aqui:
http://daluzinhaavlis.blogspot.com/

ECLESIASTES - cap. 3: versos 1 a 22. Para reflexão...

 Há, para todas as coisas, um tempo determinado por Deus

 Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu.

 Há tempo de nascer, e tempo de morrer; tempo de plantar, e tempo de arrancar o que se plantou;
Tempo de matar, e tempo de curar; tempo de derrubar, e tempo de edificar;
Tempo de chorar, e tempo de rir; tempo de prantear, e tempo de dançar;
Tempo de espalhar pedras, e tempo de ajuntar pedras; tempo de abraçar, e tempo de afastar-se de abraçar;
Tempo de buscar, e tempo de perder; tempo de guardar, e tempo de lançar fora;
Tempo de rasgar, e tempo de coser; tempo de estar calado, e tempo de falar;
Tempo de amar, e tempo de odiar; tempo de guerra, e tempo de paz.
Que proveito tem o trabalhador naquilo em que trabalha?
Tenho visto o trabalho que Deus deu aos filhos dos homens, para com ele os exercitar.
Tudo fez formoso em seu tempo; também pôs o mundo no coração do homem, sem que este possa descobrir a obra que Deus fez desde o princípio até ao fim.
Já tenho entendido que não há coisa melhor para eles do que alegrar-se e fazer bem na sua vida;
E também que todo o homem coma e beba, e goze do bem de todo o seu trabalho; isto é um dom de Deus.
Eu sei que tudo quanto Deus faz durará eternamente; nada se lhe deve acrescentar, e nada se lhe deve tirar; e isto faz Deus para que haja temor diante dele.
O que é, já foi; e o que há de ser, também já foi; e Deus pede conta do que passou.
Vi mais debaixo do sol que no lugar do juízo havia impiedade, e no lugar da justiça havia iniqüidade.
Eu disse no meu coração: Deus julgará o justo e o ímpio; porque há um tempo para todo o propósito e para toda a obra.
Disse eu no meu coração, quanto a condição dos filhos dos homens, que Deus os provaria, para que assim pudessem ver que são em si mesmos como os animais.
Porque o que sucede aos filhos dos homens, isso mesmo também sucede aos animais, e lhes sucede a mesma coisa; como morre um, assim morre o outro; e todos têm o mesmo fôlego, e a vantagem dos homens sobre os animais não é nenhuma, porque todos são vaidade.
Todos vão para um lugar; todos foram feitos do pó, e todos voltarão ao pó.
 Quem sabe que o fôlego do homem vai para cima, e que o fôlego dos animais vai para baixo da terra?
Assim que tenho visto que não há coisa melhor do que alegrar-se o homem nas suas obras, porque essa é a sua porção; pois quem o fará voltar para ver o que será depois dele?

sábado, 20 de agosto de 2011

Maria das Dores Lucena Fernandes ou Ninita Lucena - Escritora, contista, glosista, poetisa potiguar de Natal/RN

CONTO: EU SOU O AMOR



No jardim do REI GIGANTE havia muitas flores belas e perfumadas. Pássaros cantores completavam o encanto daquele lugar, com as suas vozes melodiosas, formando uma verdadeira orquestra sinfônica. Colibris de várias cores, com os seus beijos fecundos, sugavam o nécta das flores e as borboletas garantiam um colorido multicor àquele bosque encantado.


Eram flores lindas semelhantes às estrelas, flores exuberantes e flores singelas, mas que, na mistura de seus perfumes umedecidos pelos pingos de orvalho, transportavam um pedacinho do céu para a terra.


Mas, um dia, o rei, que vivia nos seus confortáveis aposentos, resolveu dar uma volta nos jardins do castelo, encontrando-o repleto de pássaros, borboletas que faziam daquele lugar o seu habitat natural.


Porém, o rei, que era extremamente egoísta, sentiu-se enciumado e mandou cercar de tela toda a extensão do seu jardim, expulsando os seus moradores, dizendo: - Isto tudo é meu e não vou dividí-lo com estes pássaros e borboletas. As flores mandei plantá-las para o deleite dos meus olhos.


As flores ficaram tristes sem a presença e melodia dos pássaros, os beijos dos colibris e o carinho das asas das borboletas. A primavera não mais veio sobre aquele jardim, o verão desapareceu, não trazendo o seu calor nem o encantamento do sol; o outono não deu mais frutos. Só o inverno prevaleceu e, com ele, a neve que cobria a relva com o seu manto branco e a geada, tudo destruía. Sem esquecer-se da chuva de granizo que atingia até o Palácio Real. Tudo ficou triste e insuportável.


O rei, não suportando mais aquela melancolia e a tristeza que foi tomando conta da sua vida, resolveu visitar o jardim na busca de qualquer alento.


Vendo a destruição total, buscou um sinal de vida e, num dos lugares mais afastado, viu uma única roseira com uma rosa que havia conseguido vencer as intempéries do mau tempo e do seu egoísmo. Era uma rosa diferente. O rei, olhando para aquela roseira com sua rosa tão simples e pura que brotara no meio do nada, sentiu-se profundamente comovido. Achegando-se, curvou-se sobre aquela rosa e o seu coração, nesse momento, foi amolecendo. Pediu à rosa que não o deixasse, e ela abriu mais uma pétala num gesto de amor para com aquele rei, que, mesmo tendo sido tão egoísta, fora tocado pela sua bondade. Afinal, ele não passava de um pobre infeliz, solitário. E o rei pensou: - Como tenho sido egoísta! Agora eu sei porque a primavera não veio, o sol não deu o seu calor e o outono não deu os seus frutos. Vou tirar as telas e deixar que os pássaros e borboletas voltem a povoar o meu jardim em reconhecimento à fidelidade desta rosa que não me abandonou.


Ao amanhecer, o rei ouviu uma linda música e pensou: a primavera chegou! Mas era um pequeno curió que viera saudar a flor solitária que havia permanecido naquele jardim por amor àquele rei que se considerava gigante. E ele, que nunca havia observado a beleza do cantarolar dos pássaros, nem cheirado uma flor, nem percebido a ternura do beijo dos colibris, sugando o nécta das flores, pois, até então, estivera cego, com os olhos voltados para as coisas materiais, começou a despertar para a subjetividade. Passou, diariamente, a ser atraído pelo canto do curió, vindo visitar a sua rosa.


O amor havia nascido no coração daquele homem. O tempo foi mudando a sua forma de vida. A suavidade do luar prateado, a relva que começava a brotar oferecia-lhe uma doce magia no silêncio de cada canto. As orquídeas caprichosas começavam a desatar as suas pétalas para suavizar a aridez do coração daquele rei, que já não era o mesmo. E o rei, com o coração descompassado, resolveu declarar-se a sua rosa.


Pensou: - Vou perguntar por que só ela permaneceu ali. Vou dizer que ela me conquistou, eu a amo, não posso mais viver sem ela. Aquele momento, para o rei, foi como uma eternidade. Estava de alma aberta, pois a linguagem tem uma só pátria, o coração. Mas, ao aproximar-se do canteiro da sua roseira, ela havia desaparecido. Haviam brotado outras, de formas diversas e cores extraordinárias, mas não era a sua rosa. Para ele, ela era insubstituível. E o rei chorou de saudade. Sentiu-se pequeno, ninguém, apesar de o chamarem de Gigante. Porém, manteve viva a esperança de rever a sua rosa. Regava, diariamente, as outras roseiras, deliciava-se com o lindo cantarolar dos pássaros.


Passaram-se anos e anos, e o rei, já envelhecido, mas com o coração novo, via a vida com outros olhos. Certo dia foi despertado pelo seu amiguinho, o curió, mas desta vez, o seu cantar era diferente. E o rei pensou:- Como seria bom se a minha rosa tivesse voltado. O vento, com as suas ondas sonoras, deve ter levado a mensagem até a sua rosa. E ele sentiu uma harmonia, um perfume diferente, seguiu para o jardim e lá estava ela, tal qual a vira pela primeira vez. O seu coração disparou! Refazendo-se da maravilhosa surpresa, sentiu-se extasiado ao contemplá-la e, aproximando-se a interrogou: - Por que você me abandonou? Ela respondeu: - Eu não lhe abandonei. Estive todos os dias com você, em cada rosa que você cuidou, você que não procurou me perceber. Como é o seu nome, perguntou. ela respondeu: - Chamo-me ROSA DE SAROM. Eu sou o amor. E o rei, ajoelhou-se diante daquela rosa, extremamente contagiado pelo amor que dela emanava.


A rosa então falou:- Sempre o amei, por isso permaneci ao seu lado quando todos o abandonaram. Vim agora levá-lo para mim. Você irá morar no meu Paraíso onde as ruas são de ouro e de cristal.


E, num abrir e fechar de olhos, ambos desapareceram num grande clarão amarelo, rumo ao firmamento infinito.


Os pássaros, que tudo haviam percebido, começaram a cantar, formando um verdadeiro coral, que, talvez os anjos tenham dado continuidade no céu, para recepcionar o servo e filho que chegava e que havia sido rei na terra.


Ninita Lucena


20 de junho de 2009

Eu leio a Bíblia há bastante tempo, mas nunca a entendi tão bem quanto agora que estou lendo e digitando as citações, está sendo maravilhoso, para mim é um "dever de casa". Essa citação, por exemplo, somente agora entendi porque sofremos as conseqüências de nossas teimosias... Ao ouvir conselhos é bom analisarmos, se for do bem, é bom aceitarmos. Para reflexão:

O primeiro livro de Moisés chamado GÊNESIS

Tentação de Eva e queda
do homem


Cap. 3 versos 1 a 24.


1 - Ora, a serpente era mais astuta
que todas as alimárias do campo
que o Senhor Deus tinha feito. E
esta disse à mulher: É assim que
Deus disse: Não comereis de todas
as árvores do jardim?


2 – E disse a mulher à serpente: Do
fruto das árvores do jardim comere-
mos,


3 - Mas do fruto da árvore que está no
meio do jardim, disse Deus: não come-
reis dele, e nem tocarei para que não
morrais.


4 - Então a serpente disse à mulher:
Certamente não morrereis.


5 - Porque Deus sabe que do dia que
dele comerdes se abrirão os vossos olhos,
e sereis como Deus sabendo o bem e o mal.


6 – E viu a mulher que aquela árvore era
boa para se comer, e agradável aos olhos,
e árvore agradável para dar entendimento;
tomou do seu fruto, e comeu, e deu também
a seu marido, e ele comeu com ela.


7 – Então foram abertos os olhos de ambos,
e conheceram que estavam nus, e coseram
folhas de figueiras e fizeram para si aventais.


8 – E ouviram a voz do Senhor Deus, que
passeava no jardim pela viração do dia; e
esconderam-se Adão e sua mulher da presença
do Senhor Deus, entre as árvores do jardim.


9 – E chamou o Senhor Deus a Adão e disse
onde estais?


10 – E ele disse: ouvi a tua vós suar no jardim, e
temi, porque estava nu, e escondi-me.


11 – E disse Deus: Quem te mostrou que estavas nu?
comeste tu da árvore que te ordenei que não comesses?


12 – Então disse Adão: A mulher que me deste por
companheira, ele me deu a árvore, e comi.


13 – E disse o Senhor Deus à mulher: Por que fizeste
isto? E disse à mulher: A serpente me enganou, e eu comi.


14 – Então o Senhor Deus disse à serpente: Porquanto
fizeste isto, maldita serás mais que toda fera, e mais
que todos os animais do campo; sobre o teu ventre andarás,
o pó comerás todos os dias da tua vida.


15 – E porei inimizade entre ti e a mulher, e entre ti e a
sua semente; esta te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o
calcanhar.


16 – E a mulher disse: Multiplicarei grandemente
a tua dor, e tua conceição; com dor darás à luz
filhos; e o teu desejo será para teu marido, e ele
te dominará.


17 – E Adão disse: Porquanto destes ouvidos a voz da
tua mulher, e comeste da árvore de que te ordenei,
dizendo: Não comerás dela, maldita é a terra por causa de ti;
com dor comerás dela todos os dias da tua vida.


18 – Espinhos, e cardos também, te produzirá; e
comereis a erva do campo.


19 – No suor do teu rosto comerás o teu pão, até
que te tornesà terra; porque dela foste tomado,
porquanto és pó e em pó te tornarás.


20 – E chamou Adão o nome de sua mulher Eva; porquanto
era a mãe de todos os viventes.


21 – E fez o Senhor Deus a Adão e a sua mulher túnicas de pele,
e os vestiu.


22 – Então disse o Senhor Deus: Eis que o homem é como
um de nós,sabendo o bem e o mal; ora, para que não
estenda a sua mão, e tome também da árvore da vida, e
coma e viva eternamente,


23 – O Senhor Deus, pôs, o lançou fora do jardim do Éden, para
lavrar a terra de que fora tomado.


24 – E havendo lançado fora o homem, pôs querubins ao oriente
do jardim do Éden, e uma espada inflamada que andava ao redor,
para guardar o caminho da árvore da vida.

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Senhor a cada dia aumenta mais a minha confiança em ti e faz com que minha fé não seja abalada.



Salmo 125 vs.1 a 4.



A segurança daquele que confia em Deus

1 - Os que confiam no Senhor são como o monte de Sião, que não se abala, mas permanece para sempre.
2 - Assim como estão os montes à roda de Jerusalém, assim o Senhor está em volta do seu povo desde agora e para sempre.
3 - Porque o cetro da impiedade não permanecerá sobre a sorte dos justos, para que o justo não estenda as suas mãos para a iniqüidade.
4- Faze bem, ò Senhor, aos bons e aos que são retos de coração.

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

PARABENIZO o mais novo blog que estou seguindo, está maravilhoso! Quero compartilhar com outras pessoas, convido-os (as) para conhecerem esse espaço maravilhoso, venham comigo...

Não sei de quem são os créditos das fotos por isso não divulguei, vejam maiores detalhes das postagens aqui:

A turma botou a boca no megafone para divulgar a leitura...

 Alzenir Araújo, poetisa, articuladora cultural e literária, sempre disposta a contribuir com o acesso à leitura. 

Coleta de assinaturas para fortalecer ações de leitura literária no RN...

A equipe em ação, a Daluzinha e sua mãezinha como sempre estavam presentes...


A professora Raquel sempre à frente da  promoção da leitura...

Passeando pelas leituras encontrei essa riqueza e compartilho para reflexão. Só nos resta descobrir onde consiste nosso prazer e refletir: Tudo que desejamos e fazemos ao próximo recebemos de volta e em dobro. Portanto é melhor desejarmos e fazermos só o bem, é bem mais fácil nos faz mais feliz e nos deixa em paz... concordam? Pensemos nisso e tenhamos um bom dia!

"No fundo, não há bons nem maus. Há apenas os que sentem prazer em fazer o bem e os que sentem prazer em fazer o mal.
Tudo é volúpia..."

Mário Quintana

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Um mimo carinhoso da poetisa Alzenir em forma de poesia para mim, meu agradecimento de coração. Obrigada poeta você que é abençoada e maravilhosa

Flor Moura

Areia Branca do meu
Rio Grande do Norte
Dos teus cristais
Nos deste Flauforte
Flor branca e sensível
Tu és meu passaporte

A literatura feminina
Da terra potiguar
Mulheres pequeninas
Tu vieste divulgar
Mulheres valentinas
Tu quiseste agrupar.

No teu blog valioso
Poetas desconhecidas
Palavras tão escondidas
Agora ganharam vida

E neste poema singelo
Pleno de amor sincero
Flauzineide Moura Machado
Receba esse meu agrado.

Alzenir Araújo – Poetisa potiguar
14/08/11



Muitíssimo obrigada Alzenir pelas palavras de afeto, que sei, talvez não mereça tanto.



Eu sempre fico em dúvida se divulgo os recados que vem do coração de pessoas do bem para mim porque eu tenho receio de parecer ostentação e disso Deus não se agrada, assim como tenho medo que algumas pessoas que não são do bem pensem que estou me auto promovendo, mas como omitir poemas tão lindos e homenagens tão sinceras e carinhosas? Pensando em paz, desprendida de qualquer julgamento em análise alheia, (isso também Deus não se agrada) achei que devia compartilhar alguns com vocês e inicio aqui com essa poesia de Alzenir Araújo, uma mulher que sabe amar fraternalmente.

A Associação de Jornalistas e Escritoras do Brasil - AJEB/RN, realiza mais um "Luar de Agosto". Evento esse que é sempre um sucesso. Muito festivo, participativo e coberto por essência de poesias. Compartilho registros do site de Vivi.



A Presidente da AJEB no RN e organizadora do evento, escritora e poetisa Leda Marinho Varela da Costa, que já soma 11 livros editados, escritos em estilos literários diversificados, além de participações em várias antologias e com mais um livro no prelo para lançamento em setembro. Leda Varela, uma grande escritora e também uma grande mulher.

Poetisas: Aldenita Sá Leitão e Nísia Galvão, lindas e maravilhosas...

A Presidente da Academia Feminina de Letras do RN, e do Memorial da Mulher, poetisa Zelma Furtado em recitação.

Drª Socorro Evangelista
Poetisa, artista plástica e cantora.

Daluzinha Avlis, contadora de histórias, poetisa e organizando seus livros já escritos para crianças. Mais sobre Daluzinha visite seu site:

*******
Créditos das fotos, Vivi Viana 

Todos os detalhes do "Luar de agosto" no site de Vivi:

terça-feira, 16 de agosto de 2011

Dedico este louvor a todos as pessoas que sentem-se prejudicadas pela perseguição de alguém que não teme a Deus. Não desista nunca, Deus é fiel e está vendo tudo e todos, amém?

Recebe a Cura
Pastora Ludmila Ferber

Se tentaram matar os teus sonhos
Sufocando o teu coração
Se lançaram você numa cova
E ferido perdeu a visão

Não desista, não pare de crer
Os sonhos de Deus jamais vão morrer
Não desista, não pare de lutar, não pare de adorar
Levanta seus olhos e vê,
Deus está restaurando os teus sonho, e a tua visão

Recebe a cura, recebe a unção
Unção de ousadia
Unção de conquista
Unção de multiplicação


A felicidade de termos o Senhor como nosso pastor - Salmo 23. Nossa leitura bíblica de hoje...



Salmo de Davi

1-O Senhor é o meu Pastor, nada me faltará.

2-Deitar-me faz em verdes pastos, guia-me mansamente às águas tranquilas;

3-Refrigera a minha alma, guia-me pelas veredas da justiça por amor do seu nome,

4-Ainda que eu andasse pelo vale da sombra da morte não temeria mal algum, porque tu estás comigo, a tua vara e o teu cajado me consolam;

5-Preparas uma mesa perante mim na presença dos meus inimigos, unges a minha cabeça com óleo, o meu cálice transborda;

6-Certamente que a bondade e a misericórdia me seguirão todos os dias de minha vida, e habitarei na casa do Senhor por longos dias.

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

Há, para todas as coisas, um tempo determinado por Deus. - Eis aqui uma reflexão para termos mais cuidados com o que falamos ou desejamos para as outras pessoas pois Deus é fiel cumpre o que fala, e aqui em Eclesiastes Cap. 3, versos 1 a 22, está seu recado. Vamos refletir? Deus é fiel e abençoa muito a todos que o temem...


1 - Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu.

2 - Há tempo de nascer, e tempo de morrer; tempo de plantar, e tempo de arrancar o que se plantou;


3 - Tempo de matar, e tempo de curar; tempo de derrubar, e tempo de edificar;


4 - Tempo de chorar, e tempo de rir; tempo de prantear, e tempo de dançar;


5 - Tempo de espalhar pedras, e tempo de ajuntar pedras; tempo de abraçar, e tempo de afastar-se de abraçar;


6 - Tempo de buscar, e tempo de perder; tempo de guardar, e tempo de lançar fora;


7 - Tempo de rasgar, e tempo de coser; tempo de estar calado, e tempo de falar;


8 - Tempo de amar, e tempo de odiar; tempo de guerra, e tempo de paz.


9 - Que proveito tem o trabalhador naquilo em que trabalha?


10 - Tenho visto o trabalho que Deus deu aos filhos dos homens, para com ele os exercitar.


11 - Tudo fez formoso em seu tempo; também pôs o mundo no coração do homem, sem que este possa descobrir a obra que Deus fez desde o princípio até ao fim.


12 - Já tenho entendido que não há coisa melhor para eles do que alegrar-se e fazer bem na sua vida;


13 - E também que todo o homem coma e beba, e goze do bem de todo o seu trabalho; isto é um dom de Deus.


14 - Eu sei que tudo quanto Deus faz durará eternamente; nada se lhe deve acrescentar, e nada se lhe deve tirar; e isto faz Deus para que haja temor diante dele.


15 - O que é, já foi; e o que há de ser, também já foi; e Deus pede conta do que passou.


16 - Vi mais debaixo do sol que no lugar do juízo havia impiedade, e no lugar da justiça havia iniqüidade.


17 - Eu disse no meu coração: Deus julgará o justo e o ímpio; porque há um tempo para todo o propósito e para toda a obra.


18 - Disse eu no meu coração, quanto a condição dos filhos dos homens, que Deus os provaria, para que assim pudessem ver que são em si mesmos como os animais.


19 - Porque o que sucede aos filhos dos homens, isso mesmo também sucede aos animais, e lhes sucede a mesma coisa; como morre um, assim morre o outro; e todos têm o mesmo fôlego, e a vantagem dos homens sobre os animais não é nenhuma, porque todos são vaidade.


20 - Todos vão para um lugar; todos foram feitos do pó, e todos voltarão ao pó.


21 - Quem sabe que o fôlego do homem vai para cima, e que o fôlego dos animais vai para baixo da terra?


22 - Assim que tenho visto que não há coisa melhor do que alegrar-se o homem nas suas obras, porque essa é a sua porção; pois quem o fará voltar para ver o que será depois dele?