segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Série: Escritoras potiguares e suas saudades... Ô saudade!

Diulinda Garcia - São João do Sabugi/RN

Saudades da Vida
Diulinda Garcia

Pressinto-me sem dia
Na noite longa e sem guia
Descortino as janelas
Abro as portas do tempo
De saudade me visto
Me vejo sem máscara
Sem riso e sem graça
Não encontro meu elo
Entre o hoje e o amanhã
Me perdi nos compassos
Da orquestra do tempo
E me acho sem métrica
Com saudades da vida.

Diulinda Garcia
 Caminho do Invisível, 2006-AS Editores.

Salmo 23 versos 1 a 6.

O Senhor é o meu Pastor, nada me faltará.
Deitar-me faz em verdes pastos,
guia-me mansamente às águas tranquilas;
Refrigera a minha alma,
guia-me pelas veredas da justiça por amor do seu nome,
Ainda que eu andasse pelo vale da sombra da morte
não temeria mal algum, porque tu estás comigo,
a tua vara e o teu cajado me consolam;
Preparas uma mesa perante mim na presença dos meus inimigos,
unges a minha cabeça com óleo, o meu cálice transborda;
Certamente que a bondade e a misericórdia
me seguirão todos os dias de minha vida,
e habitarei na casa do Senhor por longos dias.

domingo, 30 de janeiro de 2011

Minha família linda e abençoada!

Neidinha e Alderi
Aderi Filho, Mona Lisa, Kelycia Morgana,
Ana Eulália, João Neto, Ana Beatriz, 
Netinho e Tiago.

*****************
Sl.125 vs.1 a 4.

Os que confiam no Senhor são como o monte de Sião, que não se abala, mas permanece para sempre.


Assim como estão os montes à roda de Jerusalém, assim o Senhor está em volta do seu povo desde agora e para sempre.


Porque o cetro da impiedade não permanecerá sobre a sorte dos justos, para que os justos não estenda as suas mãos para a iniqüidade.


Faze bem, ò Senhor, aos bons e aos que são retos de coração.

Série Poesia potiguar - essas riquezas. Aqui vamos postar um poema e uma ilustração, ambos do RN. Uma pequena amostra das muitas belezas que temos.

Igreja da Praia da Redinha - Natal/RN

Deus
Rosângela Trajano

Deus eu te peço
Cuida de mamãe
Cuida de papai
Cuida de mim

E dessa gente que grita por aí...
Deus eu te peço
Cuida desse menino
Que não tem o pão pra comer
Nem uma casa onde dormir

E desse mendigo que nem sabe mais sorrir...
Deus eu te peço
Cuida dos pássaros
Cuida dos animais
Cuida dos homens
E dessa menina que tão
Pequenina foi morar nas ruas...

Série: Escritoras potiguares e suas saudades... Ô saudade!


 Ceará Mirim/RN

QUERIA CRESCER LEVANDO OS MEUS BRINQUEDOS
Lúcia Helena Pereira

Encher uma mala bem grande com minhas bonecas,
Meu gato Tarico, meu passarinho Verdico,
As minhocas todas dos massapês do vale,
A minha varinha de pescar tilápias no rio Água Ázul.

Queria ter crescido levando os meus brinquedos:
As bonequinhas de pano confeccionadas por dona Biuca,
Os ovos pintados pela neguinha Ciça,
A galinha Teimosa com seus mil pintinhos,
O cofrezinho de prata que vovó me deu.

Eu encheria uma mala com os pés de mastruço,
Goiaba, pitanga, araçás, graviolas,
Santo Deus, aquele abacateiro robusto,
Os coqueiros da Casa-Grande,
Zé Doido fabricando carrinhos artesanais...

Queria ter crescido levando os meus brinquedos,
Ou o mundo lobateano de Piô e Maroca,
O circo Nerino de Ceará-Mirim,
com os trapezistas: Roger e Mascotinha.

E daria tudo para rever minha babá: Regina Dias,
Que fazia burrinhos, casinhas, vaquinhas,
De um açúcar tão alvo e perfumado,
Transformado em alfinis deliciosos!

Queria tanto a minha Páscoa de infância,
Os coelhinhos de verdade pinotando no quintal,
Mamãe reclamando e papai gargalhando...
Rever os coelhinhos: Dinho, Xavier, Chico e Bebé...

A minha Páscoa festiva, agora, é a saudade,
Saudade de querer bem, de amar e ser amada,
Saudade da mesa enorme, com meus pais
E minhas irmãs: o começo de minha vida!!!

Perdi boa parte dos meus brinquedos,
No meio do caminho, vindo para Natal em 1952.
Na estrada eles foram se espatifando...
Sobrando as recordações, as Páscoas
Incomparáveis com bolos de fubá e glacê,
Os alfinis de Babá, Caldo-de-cana, saladas,
As barras de chocolates que papai nos dava,
OH! Páscoa... onde estarão os meus brinquedos?
E os meus sorrisos de menina?

Série: Escritoras potiguares e suas saudades...Ô saudade!

Foto com 11 anos de idade- Areia Branca/RN.

Mar da Meninice
Flauzineide

Aquele mar que falei
Da minha infância
Ainda está lá.
Aquele barquinho
Que estava no mar
Da infância
Ainda está lá.
As jangadas,
Estão lá.
As ondas do mar
Que vêem umas pós outras
São iguais
Como na mesma cena,
As da lembrança,
Da saudade
Da minha infância
Onde brinquei
Com as ondas
Naquele mar.
Apenas uma coisa mudou,
Foi a saudade
Essa aumentou,
Trazendo tristeza, emoções,
Lacerando uma ferida
Que foi feita
Em frente
Ao mar.
Aquele mar
Das minhas emoções,
Puras e singelas emoções
Das saudades
Da minha infância
Ô! Saudade...

Série Poesia potiguar - essas riquezas. Aqui vamos postar um poema e uma ilustração, ambos do RN. Uma pequena amostra das muitas belezas que temos.

Praia de Upanema - Areia Branca/RN

Oração
Geralda Efigênia

Sentindo um pouco de solidão
Busquei refúgio nas lembranças
do passado, embora sem nenhum
pressentimento ou causa aparente.
Senti-me sozinha, mas não era
Falta de companhia, era uma angústia
dessas que se sente, mesmo acompanhada,
mesmo perto de gente.

Doutrinei meu pensamento...
E busquei explicação, e não encontrava
o por que dessa tensão.
.
Fechei os olhos momentaneamente, e encontrei
uma explicação, fazia um tempo que me encontrava
sem buscar a Deus em oração.
Visite:

Série Poesia potiguar - essas riquezas. Aqui vamos postar um poema e uma ilustração, ambos do RN. Uma pequena amostra das muitas belezas que temos.

Fachada da igreja matriz de Assu/RN.

QUERO
Aldenita Sá Leitão

Quero um silêncio repousante
que não quebre
o encanto enigmático da solidão...
Quero música terna
que desperte recordação
dos melhores momentos comungados...
Quero perfume suave
que preencha a inolvidável lembrança
das ausências...
Quero a inquietação do pensamento
Retornando tempos,
Percorrendo distâncias...
Quero uma noite azul
para que possamos lembrar
o dourado do sol...
Quero sabedoria
para penetrarmos
no mundo misterioso de nós mesmos.
Quero um olhar agradecido
para felicidade que lhe somos...
Quero um sorriso menino
para que sintamos
a vida renascendo...
Quero amor-ternura
para que possamos perceber
a plenitude da vida...
Quero Deus mais perto
para sentirmos que não estamos sós
quando estamos sem ninguém...

Vamos refletir nessa citação bíblica? Salmo 1 versos 1 a 6.

A FELICIDADE DOS JUSTOS.



Bem aventurados os que não se deixam levar pelos conselhos dos maus que não seguem o exemplo dos que não querem saber de Deus e que não se juntam com os que zombam de tudo o que é sagrado! Pelo contrário, o prazer deles está na lei do Senhor, e nessa lei eles meditam dia e noite. Essas pessoas são como árvores que crescem na beira do riacho; elas dão frutos no tempo certo, e as suas folhas não murcham. Assim também tudo o que estas pessoas fazem dá certo. O mesmo não acontece com os maus; eles são como a palha que o vento leva. No dia do Juízo eles serão condenados e ficarão separados dos que obedecem a Deus. Pois o Senhor dirige e abençoa a vida daqueles que lhe obedecem, porém o fim dos maus são a desgraça e a morte.

sábado, 29 de janeiro de 2011

Ceará Mirim, cada dia uma conquista. Poeta Lúcia Helena Pereira será merecidamente agraciada com uma cadeira na ACLA




FUNDAÇÃO DA ACLA



A ACLA - ACADEMIA CEARAMIRINENSE DE LETRAS, A SER PRESIDIDA PELO ESCRITOR PEDRO SIMÕES NETO, TERÁ SUA SOLENIDADE DE FUNDAÇÃO E POSSE DA DIRETORIA E IMORTAIS, EM MARÇO PRÓXIMO, COM DATA A SER DEFINIDA.

LÚCIA HELENA PEREIRA ASSUMIRÁ A CADEIRA N° 05, CUJA PATRONA É A SUA AVÓ PATERNA MADALENA ANTUNES.
O CAPELO DOS IMORTAIS SERÁ VERDE, COMO A COR DO VALE

Maiores detalhes visite:
http://outraseoutras.blogspot.com/

Visite o blog da Daluzinha: http://daluzinhaavlis.blogspot.com

A DALUZINHA as vezes pede a DEUS algum SINAL que confirme se sua trajetória está realmente concretizando seu sonho de alguma forma lutar para SEMPRE PROTEGER NOSSAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES... Daí três situações renovaram este sentimento de MISSÃO AMOROSA a Daluzinha sente preencher sua existência.

* Lá no BETO CARREIRO durante o show AQUA, a Daluzinha se sentou atrás de uma senhora, que estava com seu netinho no colo, e ele simplesmente não parava de beija seu rosto, de um lado e do outro, totalmente esquecido do mundo ao seu redor, e então ela pediu que aquele MENININHO BRANCO, totalmente envolvido com sua avó, lhe desse um sorriso ou qualquer outra manifestação de carinho, e algum tempo depois enquanto ela se distraía acenando para alguns companheiro de viagem, o LUCAS começou a chamá-la insistentemente de TITIA e se desmanchou em sorrisos... Vocês não podem ter noção da emoção que tomou conta do ♥ da DALUZINHA...

* Quando depois, já no finalzinho de nossa viagem lá na parte histórica de PORTO SEGURO, a Daluzinha se deparou com um INDIOZINHO PATAXÓ que cobrava um real para se deixar fotografar, e ao abrir a carteira ela percebeu que realmente não tinha este valor, disse para ele o que estava acontecendo, enquanto o fotografava com os queridos GILSON e THAIS, companheiros muito especiais de viagem, o indiozinho foi tomado de fúria pela Daluzinha, e muito zangado disse um monte de impropérios que ía entrando no ♥ da Daluzinha como se fosse facas afiadas, e dor maior era o pensamento de quem poderia estar lhe maltratando em sua vida, caso não chegasse com dinheiro, e a vontade imensa de cuidar dele no sentido mais amplo da palavra, lhe roubou a voz, pois uma vontade danada de chorar lhe apertava a garganta, a sufocando... Meio desnorteada, a Daluzinha foi se sentar afastada, passado algum tempo o indiozinho se aproximou e disse:_ Se você me der um real eu deixo você tirar uma foto comigo... A Daluzinha disse então:_ Eu não tenho um real! Mas quero te dizer uma coisa, estou tão triste! Triste mesmo com uma vontade imensa de chorar, sabe por que? Sou alguém que AMA TODAS AS CRIANÇAS! Cuida delas enquanto posso, conto histórias, se preocupa demais, reza por elas...Aliás as crianças são as coisas mais preciosas, mas você me tratou tão mal só porque eu não tinha um real pra te dar, que estou agora extremamente triste... Ele se afastou sem dizer uma só palavra... Daí a Daluzinha fragilizada, se sentindo talmente impotente, mas uma vez pediu a Deus um sinal de esperança para que ela acreditar que seu trabalho é realmente válido, AMIGUINHOS passado uns minutinhos, a Daluzinha escutou:_PSIU! Olhou para trás e o INDIOZINHO PATAXÓ disse:_ Você me desculpa?... A Daluzinha se sentiu como se tivesse ganhando o MELHOR PRESENTE DO MUNDO!!! Sorriu para ele e disse:_ Só perdoo se você vir aqui me dar um beijo! E ele voou para seus braços, e ficaram por um bom tempinho se beijando e abraçando como se fossem VELHOS AMIGOS! Aquele era um MENININHO INDIO, representante legítimo de uma minoria que requer uma especial atenção por parte de nossos governantes...

* Já de volta a seu lar, Daluzinha assiste em um noticiário que em um supermercado de São Paulo, um MENININHO NEGRO fora extremamente humilhado por pessoas responsáveis pela segurança do estabelhecimento, e esta NÓDOA HORRÍVEL chamada RACISMO deixou mais uma vez a DALUZINHA se sentido péssima!!! Porém passado a revolta inicial, veio a certeza que era OUTRO SINAL DO PAI!

CRIANÇAS DE TODAS AS CORES , história criada pela escritora portuguesa LUÍSA DUCLA SOARES é sem dúvida uma das preferidas da Daluzinha, pois demontra que não importa a cor das pessoas, todos nós temos SONHOS SEMELHANTES que nos faz irmãos e nos torna IGUAIS DIANTES DA VIDA...

E se tratando de BRASIL tudo começou com pessoas BRANCA, INDIGENAS e NEGROS cada um deu e continua dando contribuições de total valor para o engradecimento desta NAÇÃO enquanto não AMARMOS, RESPEITARMOS e mutuamente nos PROTEGER, não estaremos dando a nossas vida o seu verdadeiro sentido...Mas enfim a Daluzinha ganhou os seus SINAIS e renova sua vontade indelével de ser um INTRUMENTO DE ESPERANÇA, AMOR e RESPEITO a disposição do UNIVERSO INFANTIL♥

Visite o blog da Daluzinha: http://daluzinhaavlis.blogspot.com

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Mateus 6 versos 1 a 27

1 - Guardai-vos de fazer as vossas boas obras diante dos homens, para serdes vistos por eles; de outra sorte não tereis recompensa junto de vosso Pai, que está nos céus

 2 - Quando, pois, deres esmola, não faças tocar trombeta diante de ti, como fazem os hipócritas nas sinagogas e nas ruas, para serem glorificados pelos homens. Em verdade vos digo que já receberam a sua recompensa.

3 - Mas, quando tu deres esmola, não saiba a tua mão esquerda o que faz a direita;

4 - para que a tua esmola fique em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará.

5 - E, quando orardes, não sejais como os hipócritas; pois gostam de orar em pé nas sinagogas, e às esquinas das ruas, para serem vistos pelos homens. Em verdade vos digo que já receberam a sua recompensa.

6 - Mas tu, quando orares, entra no teu quarto e, fechando a porta, ora a teu Pai que está em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará.

7 - E, orando, não useis de vãs repetições, como os gentios; porque pensam que pelo seu muito falar serão ouvidos.

8 - Não vos assemelheis, pois, a eles; porque vosso Pai sabe o que vos é necessário, antes de vós lho pedirdes.

9 - Portanto, orai vós deste modo: Pai nosso que estás nos céus, santificado seja o teu nome;

10 - venha o teu reino, seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu;
11 - o pão nosso de cada dia nos dá hoje;

12 - e perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós também temos perdoado aos nossos devedores;

13 - e não nos deixes entrar em tentação; mas livra-nos do mal. [Porque teu é o reino e o poder, e a glória, para sempre, Amém.]

14 - Porque, se perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai celestial vos perdoará a vós;

15 - se, porém, não perdoardes aos homens, tampouco vosso Pai perdoará vossas ofensas.

16 - Quando jejuardes, não vos mostreis contristado como os hipócritas; porque eles desfiguram os seus rostos, para que os homens vejam que estão jejuando. Em verdade vos digo que já receberam a sua recompensa.

17 - Tu, porém, quando jejuares, unge a tua cabeça, e lava o teu rosto,

18 - para não mostrar aos homens que estás jejuando, mas a teu Pai, que está em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará.

19 - Não ajunteis para vós tesouros na terra; onde a traça e a ferrugem os consomem, e onde os ladrões minam e roubam;

20 - mas ajuntai para vós tesouros no céu, onde nem a traça nem a ferrugem os consumem, e onde os ladrões não minam nem roubam.

21 - Porque onde estiver o teu tesouro, aí estará também o teu coração.

22 - A candeia do corpo são os olhos; de sorte que, se os teus olhos forem bons, todo teu corpo terá luz;

23 - se, porém, os teus olhos forem maus, o teu corpo será tenebroso. Se, portanto, a luz que em ti há são trevas, quão grandes são tais trevas!

24 - Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de odiar a um e amar o outro, ou há de dedicar-se a um e desprezar o outro. Não podeis servir a Deus e às riquezas.
25 - Por isso vos digo: Não estejais ansiosos quanto à vossa vida, pelo que haveis de comer, ou pelo que haveis de beber; nem, quanto ao vosso corpo, pelo que haveis de vestir. Não é a vida mais do que o alimento, e o corpo mais do que o vestuário?

26 - Olhai para as aves do céu, que não semeiam, nem ceifam, nem ajuntam em celeiros; e vosso Pai celestial as alimenta. Não valeis vós muito mais do que elas?

27 -Ora, qual de vós, por mais ansioso que esteja, pode acrescentar um côvado à sua estatura?

Série Poesia potiguar - essas riquezas. Aqui vamos postar um poema e uma ilustração, ambos do RN. Uma pequena amostra das muitas belezas que temos.



Vista parcial da Igreja de Angicos/RN

Renovação
Bianca Moreles

O chuvisco molha o chão
Depois vem o sol ardente
Esquenta a terra molhada
Faz eclodir a semente
A semente vira flor
Da flor vem a fruta linda
Da fruta a semente sai
A vida nunca termina
Mas se não fosse a chuva
Nada disto existiria
Não tinha vida na terra
Não tinha tanta alegria

A felicidade de termos o Senhor como nosso pastor - Salmo 23 versos 1 a 6.

1-O Senhor é o meu Pastor, nada me faltará.



2-Deitar-me faz em verdes pastos, guia-me mansamente às águas tranquilas;


3-Refrigera a minha alma, guia-me pelas veredas da justiça por amor do seu nome,


4-Ainda que eu andasse pelo vale da sombra da morte não temeria mal algum, porque tu estás comigo, a tua vara e o teu cajado me consolam;


5-Preparas uma mesa perante mim na presença dos meus inimigos, unges a minha cabeça com óleo, o meu cálice transborda;


6-Certamente que a bondade e a misericórdia me seguirão todos os dias de minha vida, e habitarei na casa do Senhor por longos dias.

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Salmo 125 vs.1 a 4.

A segurança daquele que confia em Deus

 
1 - Os que confiam no Senhor são como o monte de Sião, que não se abala, mas permanece para sempre.


2 - Assim como estão os montes à roda de Jerusalém, assim o Senhor está em volta do seu povo desde agora e para sempre.


3 - Porque o cetro da impiedade não permanecerá sobre a sorte dos justos, para que o justo não estenda as suas mãos para a iniqüidade.


4 - Faze bem, ò Senhor, aos bons e aos que são retos de coração.

Essa foto tem 40 anos, foi restaurada por minha neta Ana Eulália, e essa rosinha linda é montagem. Eu adorei! Para Aninha meus parabéns e muito amor!

Vitoriosa
Flauzineide

Aquela menina
Recatada,
Pelo destino foi marcada,
Com ela
Ele quis brincar.
Mas ela se encheu de amor
O transformou em menino,
De igual para igual
Pôde jogar.
Foi um jogo perigoso,
Astuto, audacioso
Mas foi muito interessante,
Eles juntos incessantes
Caminharam lado a lado
Ele desesperado,
Ela em paz pôde tramar:
Foi armando,
Foi driblando,
O destino se frustrando,
Ela em frente foi andando,
Foi crescendo,
Foi vencendo,
Em adulta se tornou.
Hoje é vitoriosa
Conta sua história em prosa,
E o destino?
Fracassou.

A biografia que ninguém conhece e essa foto de 40 anos atrás inspirou:
 Flauzineide ou Neidinha, filha caçula de uma família de 3 filhos, aos 9 anos sofreu a perda de sua mãe, dona Maria Eulália de Moura que aos 42 anos faleceu de parto na cidade de Areia Branca, muitas saudades e falta da presença materna marcam sua infãncia. Aos 18 anos uma outra fase frágil, ainda adolescente, perde seu pai, seu Francisco Marques de Moura que aos 56 anos também vai para Deus por problemas de descontrole de pressão arteial. Como se vê essa menina cresceu respaldada nas orientações recebidas pelos pais a parti dai aprendeu a pensar por sua própria cabeça e a se resguardar, fazendo de conta que tinha um pai bravo a lhe cobrar. Essa atitude lhe deu paz, e lhe trouxe segurança e vitórias. Concluiu seus estudos, casou-se aos 23 anos, sendo mãe de 3 filhos e avó de 3 netos, todos muito amados. Foi casada 35 anos com José Alderi Machado, seu único e inesquecível amor, hoje vive a saudade compartilhada com os filhos e netos que também sentem muita saudade, em todas as conversas da família o nome do saudoso Alderi esposo, Alderí pai e Alderi avô, se faz presente. Mas como é para ser a sequencia da vida, todos seguem em paz e harmonia. Moral da história que inspirou esse poema acima: o destino fracassou e a presença e a sabedoria de Deus se fez presente dando à Flauzineide e sua família, bênçãos e vitórias para honra e glória do nome de Deus e de Jesus.

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Série Poesia potiguar - essas riquezas. Aqui vamos postar um poema e uma ilustração, ambos do RN. Uma pequena amostra das muitas belezas que temos.

A Ponte de Todos - Newton Navarro - Natal/RN.

Voz melodiosa
Ninita Lucena


Você tem voz de flauta doce

Ecoando aos meus ouvidos,

Em cada nota é como se fosse

Envolvendo os meus sentidos.

Sua voz é uma oração

É como uma prece a Deus,

Reanima o meu coração

Levando os pesares meus

Representa a voz dos anjos

Emana paz, suavidade.

Da melodia, é arranjo

Em prelúdio de bondade.

São notas em clave de sol

Ao som de um violino,

Tão belas como o arrebol

Exercem grande fascínio.

É como o vento que canta

Levemente aos meus ouvidos

Em suas curvas, encanta

É mais bemol que sustenido.

E na pauta ou pentagrama

Cada nota é colocada.

Espaços e linhas proclamam

Da melodia a escalada.

Cada pausa evidenciada

Representa a reconstrução

Do pensamento e da palavra

Emanadas do coração.

Com a sua voz vou aprender

A dar beleza à melodia.

Que em cada nota eu possa ter

Você embelezando os meus dias

Mateus 5 versos 1 a 48

Vendo Jesus as multidões, subiu ao monte, e, como se assentasse, aproximaram-se os seus discípulos;
e ele passou a ensiná-los, dizendo:
Bem-aventurados os humildes de espírito, porque deles é o reino dos céus.
Bem-aventurados os que choram, porque serão consolados.
Bem-aventurados os mansos, porque herdarão a terra.
Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque serão fartos.
Bem-aventurados os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia.
Bem-aventurados os limpos de coração, porque verão a Deus.
Bem-aventurados os pacificadores, porque serão chamados filhos de Deus.
Bem-aventurados os perseguidos por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus.
Bem-aventurados sois quando, por minha causa, vos injuriarem, e vos perseguirem, e, mentindo, disserem todo mal contra vós.
Regozijai-vos e exultai, porque é grande o vosso galardão nos céus; pois assim perseguiram aos profetas que viveram antes de vós.
Vós sois o sal da terra; ora, se o sal vier a ser insípido, como lhe restaurar o sabor? Para nada mais presta senão para, lançado fora, ser pisado pelos homens.
Vós sois a luz do mundo. Não se pode esconder a cidade edificada sobre um monte;
nem se acende uma candeia para colocá-la debaixo do alqueire, mas no velador, e alumia a todos os que se encontram na casa.
Assim brilhe também a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai que está nos céus.
Não penseis que vim revogar a Lei ou os Profetas; não vim para revogar, vim para cumprir.
Porque em verdade vos digo: até que o céu e a terra passem, nem um i ou um til jamais passará da Lei, até que tudo se cumpra.
Aquele, pois, que violar um destes mandamentos, posto que dos menores, e assim ensinar aos homens, será considerado mínimo no reino dos céus; aquele, porém, que os observar e ensinar, esse será considerado grande no reino dos céus.
Porque vos digo que, se a vossa justiça não exceder em muito a dos escribas e fariseus, jamais entrareis no reino dos céus.
Ouvistes que foi dito aos antigos: Não matarás; e: Quem matar estará sujeito a julgamento.
Eu, porém, vos digo que todo aquele que {sem motivo} se irar contra seu irmão estará sujeito a julgamento; e quem proferir um insulto a seu irmão estará sujeito a julgamento do tribunal; e quem lhe chamar: Tolo, estará sujeito ao inferno de fogo.
Se, pois, ao trazeres ao altar a tua oferta, ali te lembrares de que teu irmão tem alguma coisa contra ti,
deixa perante o altar a tua oferta, vai primeiro reconciliar-te com teu irmão; e, então, voltando, faze a tua oferta.
Entra em acordo sem demora com o teu adversário, enquanto estás com ele a caminho, para que o adversário não te entregue ao juiz, o juiz, ao oficial de justiça, e sejas recolhido à prisão.
Em verdade te digo que não sairás dali, enquanto não pagares o último centavo.
Ouvistes que foi dito: Não adulterarás.
Eu, porém, vos digo: qualquer que olhar para uma mulher com intenção impura, no coração, já adulterou com ela.
Se o teu olho direito te faz tropeçar, arranca-o e lança-o de ti; pois te convém que se perca um dos teus membros, e não seja todo o teu corpo lançado no inferno.
E, se a tua mão direita te faz tropeçar, corta-a e lança-a de ti; pois te convém que se perca um dos teus membros, e não vá todo o teu corpo para o inferno.
Também foi dito: Aquele que repudiar sua mulher, dê-lhe carta de divórcio.
Eu, porém, vos digo: qualquer que repudiar sua mulher, exceto em caso de relações sexuais ilícitas, a expõe a tornar-se adúltera; e aquele que casar com a repudiada comete adultério.
Também ouvistes que foi dito aos antigos: Não jurarás falso, mas cumprirás rigorosamente para com o Senhor os teus juramentos.
Eu, porém, vos digo: de modo algum jureis; nem pelo céu, por ser o trono de Deus;
nem pela terra, por ser estrado de seus pés; nem por Jerusalém, por ser cidade do grande Rei;
nem jures pela tua cabeça, porque não podes tornar um cabelo branco ou preto.
Seja, porém, a tua palavra: Sim, sim; não, não. O que disto passar vem do maligno.
Ouvistes que foi dito: Olho por olho, dente por dente.
Eu, porém, vos digo: não resistais ao perverso; mas, a qualquer que te ferir na face direita, volta-lhe também a outra;
e, ao que quer demandar contigo e tirar-te a túnica, deixa-lhe também a capa.
Se alguém te obrigar a andar uma milha, vai com ele duas.
Dá a quem te pede e não voltes as costas ao que deseja que lhe emprestes.
Ouvistes que foi dito: Amarás o teu próximo e odiarás o teu inimigo.
Eu, porém, vos digo: amai os vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem;
para que vos torneis filhos do vosso Pai celeste, porque ele faz nascer o seu sol sobre maus e bons e vir chuvas sobre justos e injustos.
Porque, se amardes os que vos amam, que recompensa tendes? Não fazem os publicanos também o mesmo?
E, se saudardes somente os vossos irmãos, que fazeis de mais? Não fazem os gentios também o mesmo?
Portanto, sede vós perfeitos como perfeito é o vosso Pai celeste. 
http://www.bibliaonline.com.br/ra/40/5

Série Poesia potiguar - essas riquezas. Aqui vamos postar um poema e uma ilustração, ambos do RN. Uma pequena amostra das muitas belezas que temos.

Praça Capitão José da Penha - Angicos/RN

Ciberpoema
Maria de Fátima do Nascimento da Silva

Tempo de Advento
Tempo novo...
Devemos nos preparar.

Formatar nosso coração
É algo essencial...
Para que nele o amor possa
Sempre estar.

Instale novos programas
Paz
Justiça,
Solidariedade...
Para que nossas ações
Possam se fortalecer, fortificar.

Delete todas as impurezas:
Mágoa,
Ódio,
Inveja,
Tudo de ruim
Que nele possa se manifestar.

Não esqueça o Antivírus
Para que nele o mal,
Às coisas boas não possam
Mais estragar.

Série Poesia potiguar - essas riquezas. Aqui vamos postar um poema e uma ilustração, ambos do RN. Uma pequena amostra das muitas belezas que temos.

Praia de Upanema - Areia Branca/RN

Sorrir

Sorri com o coração,
Ao contemplar
O céu azul
Do meu mar.

O verde dos coqueiros,
Das matas,
Da tamarineira,
Encheram-me de esperança...

Sorri,
E vi que tudo era pequeno
Diante da grandeza
Daquele mar!

Sorri,
E senti que tudo era pequeno
Comparado
À minha forma de amar

Flauzineide de Moura Machado






terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Poética em oração.

vista da igreja de Angicos/RN

Luz Divina
Flauzineide Moura

Eu sou uma luz
Que vem de Deus
Para brilhar.
Eu sou semente
Sou aprendiz
A semear.
Eu sou a vida
Bem vivida,
A exemplificar.
Eu sou temente,
Sou resistente
Eu vou lutar...

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Salmo 125 vs.1 a 4.

A segurança daquele que confia em Deus
Os que confiam no Senhor são como o monte de Sião, que não se abala, mas permanece para sempre.

Assim como estão os montes à roda de Jerusalém, assim o Senhor está em volta do seu povo desde agora e para sempre.

Porque o cetro da impiedade não permanecerá sobre a sorte dos justos, para que o justo não estenda as suas mãos para a iniqüidade.

Faze bem, ò Senhor, aos bons e aos que são retos de coração.

Isaias 33, versos 1 a 24

Ai de ti, despojador, que não foste despojado, e que procedes perfidamente contra os que não procederam perfidamente contra ti! Acabando tu de despojar, serás despojado; e, acabando tu de tratar perfidamente, perfidamente te tratarão.

SENHOR, tem misericórdia de nós, por ti temos esperado; sê tu o nosso braço cada manhã, como também a nossa salvação no tempo da tribulação.

Ao ruído do tumulto fugirão os povos; à tua exaltação as nações serão dispersas.

Então ajuntar-se-á o vosso despojo como se ajunta a lagarta; como os gafanhotos saltam, assim ele saltará sobre eles.

O SENHOR está exaltado, pois habita nas alturas; encheu a Sião de juízo e justiça.

E haverá estabilidade nos teus tempos, abundância de salvação, sabedoria e conhecimento; e o temor do SENHOR será o seu tesouro.

Eis que os seus embaixadores estão clamando de fora; e os mensageiros de paz estão chorando amargamente.

As estradas estão desoladas, cessou o que passava pela vereda, ele rompeu a aliança, desprezou as cidades, e já não faz caso dos homens.

A terra geme e pranteia, o Líbano se envergonha e se murcha; Sarom se tornou como um deserto; e Basã e Carmelo foram sacudidos.

Agora, pois, me levantarei, diz o SENHOR; agora me erguerei. Agora serei exaltado.

Concebestes palha, dareis à luz restolho; e o vosso espírito vos devorará como o fogo.

E os povos serão como as queimas de cal; como espinhos cortados arderão no fogo.

Ouvi, vós os que estais longe, o que tenho feito; e vós que estais vizinhos, conhecei o meu poder.

Os pecadores de Sião se assombraram, o tremor surpreendeu os hipócritas. Quem dentre nós habitará com o fogo consumidor? Quem dentre nós habitará com as labaredas eternas?

O que anda em justiça, e o que fala com retidão; o que rejeita o ganho da opressão, o que sacode das suas mãos todo o presente; o que tapa os seus ouvidos para não ouvir falar de derramamento de sangue e fecha os seus olhos para não ver o mal.

Este habitará nas alturas; as fortalezas das rochas serão o seu alto refúgio, o seu pão lhe será dado, as suas águas serão certas.

Os teus olhos verão o rei na sua formosura, e verão a terra que está longe.

O teu coração considerará o assombro dizendo: Onde está o escrivão? Onde está o que pesou o tributo? Onde está o que conta as torres?

Não verás mais aquele povo atrevido, povo de fala obscura, que não se pode compreender e de língua tão estranha que não se pode entender.

Olha para Sião, a cidade das nossas solenidades; os teus olhos verão a Jerusalém, habitação quieta, tenda que não será removida, cujas estacas nunca serão arrancadas e das suas cordas nenhuma se quebrará.

Mas ali o glorioso SENHOR será para nós um lugar de rios e correntes largas; barco nenhum de remo passará por ele, nem navio grande navegará por ele.

Porque o SENHOR é o nosso Juiz; o SENHOR é o nosso legislador; o SENHOR é o nosso rei, ele nos salvará.

As tuas cordas se afrouxaram; não puderam ter firme o seu mastro, e nem desfraldar a vela; então a presa de abundantes despojos se repartirá; e até os coxos dividirão a presa.

E morador nenhum dirá: Enfermo estou; porque o povo que habitar nela será absolvido da iniqüidade.

Recebi de minha amiga Clevane Pessoa de Araújo Lopes, poeta potiguar de São José de Mipibu.



Amigo(s):


Tenho o prazer de comunicar-lhes minha posse na ABLA-na cidade de Boituva-S.P, a convite da Comendadora Adalzija Cuan.
Uma Academia amplia nossas possibilidades de convívio ,lgitimação, divulgação das Letras e das Artes.É com honra e alegria que, agradecida, compartilho com você(s) o convite in anexo.

Cordialmente:
Clevane Pessoa de Araújo Lopes
Diretora Regional do Instituto de Culturas Internacionais-InBrasCI;
Vice Presidente do Instituto Imersão Latina-IMEL
Embaixadora Univ. da Paz (CUAP/Genebra-Suiça).
Acadêmica Cadeira 05-Cecília Meireles-AFEMIL-
Cad.11 -Laís Corrêa de Araújo -ALB-
Acad.Correspondente da ATRN,ADL, AIL, ACL, ANELCARTES, ALTO e da AVBL.
Membro da ONE, da APPERJ, do virARTE, membro Honorário de ME, da SPVA/RN.
Patroness da AVSPE, da REDE Catitu de CULTURA;
Representante em Belo Horizonte,da ALPASXXI, do Movimento Cultural aBrace(Brasil/Uruguai) ,do Alô Vida. pesquisadora e divulgadora do MUNAP;
páginas de Clevane:
http://imersaolatina.ning.com/photo/livro-vivo50-anos-de-regina-1?xg_source=activity
http://www.clevanepessoa.net/blog.php?idb=26126

Veio de Clevane e compartilho com vocês.

A Editora Chiado de Lisboa, Portugal, e o organizador de Essência e Memória III-entre outras lindas antologias de fotografia, Antonio Vieira, de Portugal, cuja renda sempre é voltada para filantropia (por exemplo, Meninos de Ouro, organização CAIS, etc) , desta feita, para "A Ajuda de Berço", da qual fala-nos Lu:" é uma IPSS- Instituição Particular de Solidariedade Social sem fins lucrativos - associada à UDIPSS ( União Distrital de Instituições Particulares de Solidariedade Social de Lisboa) e à CNIS (Confederação Nacional de Instituições de Solidariedade) ", orgulhosamente , farão seu lançamento em Lisboa.
Conhecendo as qualidades solidárias dessa Embaixadora, sabemos o quanto está feliz com a destinação desse lançamento.
Cumprimentos, vida longa ao organizador, ao editor e aos fotógrafos que eternizam a vida com suas imagens.

particularmente, agradeço a Lu por haver levado os livros de marco llobus e meus, selo da Rede Catitu, série Os azuis, para doar a escolares , alcades e Poetas del Mundo no Chile, em Tras las Huellas del poetas VI.Há fotos desses momentos, neste blog, clicados por Lu Peçanha e David Altamirano.



Clevane Pessoa de Araújo Lopes
Mais detalhes em:
http://imersaolatina.ning.com/profiles/blogs/em-portugal-lu-pecanha
http://lupecanhafotografias.blogspot.com/2010/11/lu-pecanha-e-o-essencia-e-memoria.html

domingo, 23 de janeiro de 2011

Salmo 23 - Versos 1 a 6

O Senhor é o meu Pastor, nada me faltará.
Deitar-me faz em verdes pastos,

guia-me mansamente às águas tranquilas;

Refrigera a minha alma,

guia-me pelas veredas da justiça por amor do seu nome,

Ainda que eu andasse pelo vale da sombra da morte

não temeria mal algum, porque tu estás comigo,

a tua vara e o teu cajado me consolam;

Preparas uma mesa perante mim na presença dos meus inimigos,

unges a minha cabeça com óleo, o meu cálice transborda;

Certamente que a bondade e a misericórdia

me seguirão todos os dias de minha vida,

e habitarei na casa do Senhor por longos dias.

Conheça um pouquinho da poesia de Ceicinha Câmara, poeta potiguar redicada em Vila do Bispo/Portugal.


Sonho ou Realidade

Ah! Que saudade do meu Vale!

No meu pensamento

Surge com naturalidade

Uma imagem de encantamento.

Fecho os olhos e começo a sonhar!

Vejo ao longe meu Vale esverdeado

Os engenhos a testemunhar

Num permanente privilégio abençoado!

Que beleza poética!

Como é forte o seu colorido

Faz parte da genética

Deste paraíso querido.

Um verde intenso e opulento

Onde esconde muitas recordações

De um passado de sentimento

das baronesas e seus barões.

Do alto das torres da igreja

esplandece uma linda natureza

Que é um sonho de grandeza

E demonstra muita riqueza.

Acordei para a realidade!

Mas, com sentimento de esperança

Que o crescimento deste Vale

Faça o povo ter confiança.

Ceicinha Câmara (*)

Poeta potiguar radicada em Portugal.
Poesia feita em Vila do Bispo - Portugal
Em 22 de Março de 2010




Essa foto foi do Sarau do Reencontro de 2009, ai está Ceicinha e sua estimada professora Francisca Lopes..


Saiba mais um pouco dessa mulher batalhadora, comunicativa e carismática. Com vocês a poeta potiguar Ceicinha Câmara:

Maria Conceição Câmara da Silva, mais conhecida carinhosamente por: Ceicinha Câmara, atualmente radicada em Vila do Bispo, Região Algarve, sul de Portugal, onde está totalmente integrada, apesar de ser um lugar pequeno, mas acolheu-a muito bem. Nasceu na Maternidade Januário Cicco de Natal-RN, no dia 08 de Maio de 1973, mas foi em Ceará-Mirim-RN, cidade onde cresceu, pois seus pais: Raimundo Rocha da Silva e Marli Câmara da Silva, criaram todos os seus filhos nesta cidade, considerada dos "Verdes Canaviais".
Participou do 1º Concurso de Poesia Adele de Oliveira, na categoria 2º Grau, realizado na Biblioteca Dr. Pacheco Dantas, durante as festividades de aniversário de Ceará-mirim, no ano de 1993 e obteve o 1º lugar, com a poesia: "O Palhaço", dedicada ao amigo Roberto Paiva, que nas horas vagas vestia-se de palhaço para animar festas infantis e havia falecido nesta época. A partir desta primeira poesia, nunca mais parou! Pretende editar seu primeiro livro logo que for possível.
Fez cursos pelo SENAC como: - Técnicas Básicas de Garçom; - Inglês e Espanhol Básico; - Atendimento para o Turismo; entre outros e devido a isto, voou mais alto, ou melhor, saiu em busca dos seus sonhos e viajou rumo ao país Lusitano, para pôr em prática o que aprendeu na teoria e está trabalhando como garçonete num restaurante em Vila do Bispo, conquistando os turistas com sua simplicidade e simpatia.
Cursou o primário na Escola Estadual Barão de Ceará-Mirim, o ginásio no Colégio de Santa Águeda de Ceará-Mirim, começou a estudar o primeiro científico no Colégio Hipócrates de Natal e os dois anos conclui na Escola Estadual Interventor Ubaldo Bezerra de Melo em Ceará-Mirim.
Faz parte do projeto "Difusão da Literatura Feminina Potiguar", onde divulga em seu blog: Notícias da Lusofonia http://nlusofonia.blogspot.com/

Recentemente, a convite da poetisa Flauzineide Moura, passou a integrar a SPVA-RN (Sociedade dos Poetas Vivos e Afins do Rio Grande do Norte).
Considera-se uma autodidata da vida!

O segundo Sarau do Reencontro de Ceicinha Câmara, com poetas, artistas e conterrâneos.

 Entrada de Ceará Mirim
 Poetas amigos de Ceicinha

A família de Ceicinha
Os banneres do projeto Difusão da Literatura Feminina Potiguar, também abrilhantaram o evento

Mais sobre esse evento em:

O sarau de Ceicinha Câmara foi riquíssimo e com diversidades de atividades literárias, artisticas e culturais. Parabéns princesa de Deus!




























De minha amiga e poeta potiguar, Clevane Pessoa


Mesmo que você não more em Portugal, faça qual a poetisa Lucianna Tannus e repasse esse apelo sobre uma Livraria portuguesa especializada em poesia.
As livrarias são as guardiãs da cultura literária, e a Poesia é a essência da literatura (qual digo no poema abaixo).
Se morar em terras lusas, vá visitar, compre para ler ou presentear. Nosso amigo Joaquim Evónio é um grande pacifista e ativista cultural.

Um abraço de sábado:
Clevane Pessoa

Quando as luzes se apagam, saem das páginas adormecidas
toda a Vida ali guardada:estórias, História e pesonagem,
vêm graves ou lépidos ,
conversar, cantarolar, trocar idéias.
Dançam sílfides e fadas,
feiticeiras espalham filtros e magia.
Por isso, as livrarias são encantadas, sempre.

As livrarias são as guadiãs responsáveis
da cultura de um lugar, do Universo,
dos autores e leitores.

E quando vendem Poesia,
estendem um tapete de alegoria
estampado de metáforas.

Mesmo o poema mais metonímico,
mais mínimo,
sempre será anímico
e pleno de parábolas,
chamamentos e sinalizações.
Atinge a alma, com dardos de flores
e perfuma os ares.

A Poesia, é a essência da literatura.

E o livreiro que a elege,
uma alma que a depura
e expõe a quintessência
da palavra.

Clevane Pessoa de Araújo Lopes
Em 22 de janeiro, para esse jovem livreiro cito por Joaquim Evónio, para Lucianna Tannus, divulgadora e para quem a ama a poesia.

Que essa livraria sobreviva cercada de Musas , sabedoria, encantamentos e protagonistas...


Leiam o e-mail de Joaquim Evónio, enviado por Lucianna Tannus:

"Assunto: [luciana tannus] "Poesia Incompleta", uma questão de sobrevivência. Acesse: http://lucianatannus.blogspot.com "Confiemos nossas forças ao intercâmbio com a Espiritualidade,
sob a luz da oração e do Evangelho.
Estejamos certos de que a luz também luta para sobrepor-se ao domínio
das trevas.
Aceitemos o trabalho de socorro aos nossos companheiros
que ainda jazem nas trevas e continuemos fiéis a Jesus hoje
e sempre. "
Batuíra Se encaminhar esta mensagem por favor:
1. Apague o meu e-mail e o meu nome.
2. Apague também os endereços dos amigos antes de reenviar.
3. Encaminhe como cópia oculta (Cco ou Bcc) aos SEUS destinatários. Agindo sempre assim dificultaremos a disseminação de vírus, spams e banners.

"Olá amigos que visitam o meu blog:

Recebi hoje, dia 22 de janeiro, um e-mail do nosso querido Joaquim Evonio, da Varanda das Estrelícias, de Portugal, solicitando-nos uma força quanto à preservação da Livraria "Poesia Incompleta". Para quem não a conhece, fica em Príncipe Real, um lugar fantástico para quem ama poesia e literatura. Mas, infelizmente, essa livraria está prestes a fechar por questões de sobrevivência. Então, pedimos a todos que visitem e façam valer essa raridade que é a "Poesia Incompleta". Não deixemos por incompleta, a sua sobrevivência.
Abaixo, encontra-se o repasse de apelo do nosso amigo escritor e poeta, Joaquim Evonio. Por favor, leiam:"(LT)
"Caros leitores e amigas/os,

Actualmente existe, em Lisboa, uma livraria absolutamente única no país: uma livraria integralmente dedicada à poesia. Sucede, contudo, que, apesar de fantástica, ela encontra-se com alguma dificuldade em sobreviver. O que não se compreende: tem à sua frente um jovem livreiro que, além de extremamente eficiente, como verão, possui um total conhecimento do que está a vender: conhece os autores, as edições, tudo.
A livraria de que vos falo chama-se Poesia Incompleta, fica na Rua Cecilio de Sousa n.º 11 (Príncipe Real) e vai com certeza ser uma revelação para quem a visitar. Abrange todas as épocas e o que não tem, o Mário, o dito livreiro, arranja, normalmente - e com uma
brevidade que, no mínimo, surpreende.
Peço-vos - a vós que sois leitores, presumo - que façam uma visitinha a este sítio, que não pode de maneira nenhuma fechar e que, pela sua qualidade, vai-se tornar, mais tarde ou mais cedo, como aliás disse Vasco Graça Moura, num local de culto. Isto, claro, se não fechar, coisa que, passando a palavra e recomendando a amigos este tão singular espaço, podemos evitar.Desde já, muito grata pela vossa atenção e próxima visita,Uma cliente amiga"
http://poesia-incompleta.blogspot.com

poesia.incompleta@gmail.com

Telefone: +351 960005360 begin_of_the_skype_highlighting