sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Meu carinhoso agradecimento à estimada Socorro Lima - Acadêmica da AVSPE, Obrigada de coração.

Um mimo recebido de minha colega da AVSPE:

Estimada poetisa

Flauzineide 
Parabéns por lindo dia !

O dia hoje amanheceu mais luminoso e cristalino
e eu com o coração imensamente feliz por estar parabenizando-lhe.
Eu lhe desejo neste dia especial, em que Deus, em sua infinita bondade
lhe trouxe a este mundo para ornar muitas existências e acender corações.
Eu me sinto privilegiada em fazer parte de sua vida e amizade, pois desta forma,
Sei que posso estar ao seu lado e caminhar junto a você cultivando o amor e a sabedoria.
E desejo ainda, que este seu dia seja recheado de glórias, conquistas e sucessos.
E que você irradie felicidades nesta nova etapa hoje caminhando com louvor.


Feliz aniversário !
Parabéns !
TIM, TIM !


Abraços literários, com carinho,
Socorro Lima Dantas


Mais sobre Socorro venha aqui:
www.fragmentosdosmeussonhos.com.br
www.socorrolimadantas.com.br

Momento de Louvor...

Espirito Santo
Fernanda Brum
Composição: Eyshila

Espírito Santo ore por mim
Leve pra Deus tudo aquilo que eu preciso
Espírito Santo use as palavras
Que eu necessito usar mas não consigo
Me ajude nas minhas fraquezas
Não sei como devo pedir

Espírito Santo
Vem interceder por mim
Todas as coisas cooperam pra o bem
Daqueles que amam a ti

Espírito Santo vem orar por mim
Estou clamando, estou pedindo
Só Deus sabe a dor que estou sentindo
Meu coração está ferido
Mas o meu clamor está subindo.


Viste:
http://letras.terra.com.br/fernanda-brum/77684/

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

I Corintios Versos 1 a 7

1- Ainda que eu falasse
as linguas dos homens e dos anjos,
e não tivesse o amor,
seria como o metal que soa
ou como o sino que tine.


2- E ainda que tivesse o dom
de profecia, e conhecesse todos
os mistérios e toda a ciência, e ainda
que tivesse toda fé, de maneira
tal que transportasse os montes,
e não tivesse amor nada seria.


3- E ainda que distribuisse toda a
minha fortuna para sustento dos
pobres, e ainda que entregasse o
meu corpo para ser queimado, e
não tivesse o amor nada disso me
aproveitaria.


4- O amor é sofredor, é benigno;
o amor não é invejoso; o amor
não trata com leviandade, não se
ensoberbece.


5- Não se porta com indecência,
não busca os seus interesses, não se
irrita, não suspeita mal;


6- Não folga com a injustiça,
mas folga com a verdade;


7- Tudo sofre, tudo crê, tudo
espera, tudo suporta.

Mateus 5 versículos 1 a 16. Sermão da Montanha - As bem aventuranças. Vamos ler e refletir?

1 - E JESUS, vendo a multidão, subiu a um monte e assentando-se, aproximaram-se dele os seus discípulos;
2 – E, abrindo a sua boca, os ensinava dizendo;
3 – Bem aventurados os pobres de espírito, porque deles é o reino dos céus;
4 – Bem aventurados os que choram porque eles serão consolados;
5 – Bem aventurados os mansos, porque eles herdarão a terra;
6 - Bem aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque eles serão fartos;
7 – Bem aventurados os misericordiosos, porque eles alcançarão misericórdia;
8 – Bem aventurados os limpos de coração, porque eles verão a Deus;
9 – Bem aventurados os pacificadores, porque eles serão chamados filhos de Deus;
10 – Bem aventurados os que sofrem perseguição por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus;
11 – Bem aventurados sois vós quando vos injuriarem e perseguirem e, mentindo, disserem todo o mal contra vós por minha causa.
12 – Exultai e alegrai-vos, porque é grande o vosso galardão nos céus; porque assim perseguirão os profetas que foram antes de vós.
13 - Vós sois o sal da terra; e se o sal for insípido, com que se há de salgar? Para nada mais presta senão para se lançar fora, e ser pisado pelos homens
14 - Vós sois a luz do mundo; não se pode esconder uma cidade edificada sobre um monte;
15 - Nem se acende a candeia e se coloca debaixo do alqueire, mas no velador, e dá luz a todos que estão na casa.
16 - Assim resplandeça vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifique a vosso pai que está no céu.

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

A felicidade de termos o Senhor como nosso pastor - Salmo 23, versos 1 a 6

Salmo de Davi

1-O Senhor é o meu Pastor, nada me faltará.
2-Deitar-me faz em verdes pastos, guia-me mansamente às águas tranquilas;
3-Refrigera a minha alma, guia-me pelas veredas da justiça por amor do seu nome,
4-Ainda que eu andasse pelo vale da sombra da morte não temeria mal algum, porque tu estás comigo, a tua vara e o teu cajado me consolam;
5-Preparas uma mesa perante mim na presença dos meus inimigos, unges a minha cabeça com óleo, o meu cálice transborda;
6-Certamente que a bondade e a misericórdia me seguirão todos os dias de minha vida, e habitarei na casa do Senhor por longos dias.

terça-feira, 27 de setembro de 2011

Mais uma aniversariante da primavera, a poetisa Leda Varela. Parabéns Leda! Saúde!!! Felicidades!!!




Lêda Marinho Varela da Costa é natalense e libriana. Filha de Rubens Brandão de Paiva e Lourdes Marinho de Paiva. Dedicou-se à arte de escrever desde a adolescência, mas a sua trajetória pela cultura de nossa cidade se deu com a publicação de suas crônicas na Tribuna do Norte onde manteve uma coluna por mais de três anos. É graduada em Letras Neolatinas pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte com habilitação em Latim, Português, Francês Italiano e Espanhol e respectivas literaturas. Curso de Inglês pela Sociedade Cultural Brasil - Estados Unidos . Exerceu a função de Professora de Português, Latim e Inglês; Secretária Executiva da Prefeitura Municipal de Taipu-RN e Analista Judiciária no Tribunal Regional do Trabalho da 13ª Região e da 21ª Região, por onde se aposentou. Com nove livros publicados: Vida e Memória- crônicas; Conflitos da Terceira Idade - reflexões; Intimidade - poesias; Canto de Saudade - crônicas; Poesias do Tempo - poesias; Elogio à Zila Mamede - um trabalho de pesquisa; Estação Poética, uma coletânea de poemas que nos revelam suas maiores emoções; Natal no Compasso do Meu Tempo - crônicas; tem participações em antologias da AJEB com diversas poesias e crônicas. E agora nos presenteia com Hora Íntima – Poesias.
É membro da Academia Feminina de Letras do Rio Grande do Norte e Presidente da Associação de Jornalistas e Escritoras do Brasil - AJEB-RN. Foi homenageada pela Câmara Municipal do Natal duas vezes, com os livros: Intimidade e Poesias do Tempo. Em junho de 2008, foi homenageada pela Escola Estadual Berilo Wanderley – SEEC/RN.

 
Maria
Leda Marinho

Era pesado o ferro de engomar
Brasas vermelhas espalhavam calor
E rosto de Maria era o reflexo da dor.
Face sofrida
E semblante embrutecido
Anestesiavam seus sonhos
E Adormeciam sua emoção,
Ah, ferro a carvão!
Queimava roupas,
Queimava a vida de Maria
E como ela sofria!
Sorriso calado.
Corpo cansado
Quase sem força para soprar aquele fogo
Que não podia apagar,
Maria tinha que engomar!
E as fagulhas deixavam suas marcas
Nos caminhos que percorria,
Com horizontes fechados para a sua vida.
Cadê saída?
Lembro-me de você, Maria
Quando me envolveu num cobertor
Apagando o fogo que me consumia,
Fazendo voltar a minha alegria.
Dentro de seu jeito rude
Experimentei essa prova de amor,
Que revelou sua essência.
Com tão pouca transparência,
Quero tanto revê-la, Maria,
Recordar coisa da minha infância,
Quando você me benzia com raminhos,
Declamando orações,
Recitando ladainhas.


A Escola Estadual Maria Luiza Alves da Costa recebeu familiares de sua patrona, escritoras potiguares, alunos e famílias de alunos, que se uniram aos funcionários para realizar o segundo sarau ao qual denominaram "Sarau do Reencontro" cujo tema principal foi "Degustação Literária" e foi realmente um banquete bem diversificado. Vivemos um pouco de tudo, mas o que prevaleceu mesmo, foram as emoções e a saudade. Saudade de Marilu, saudade de Mineia (filha da diretora Verônica) que vítima de um acidente de trânsito foi para Deus recentemente, saudade de Alderi(esposo da patrona da Sala de Leitura) que participou ativamente do primeiro sarau. Foram momentos inesquecíveis... Valeu à pena vivenciá-los.

Secretaria de Estado da Educação e da Cultura do RN
Escola Estadual Professora Maria Luiza Alves da Costa
Bairro de Felipe Camarão- Zona Oeste de Natal/RN

Programação


Sarau do Reencontro
Tema: “Degustação Literária”
Apresentação: Maria do Socorro da Costa Gomes
(vice-diretora da escola)


Dia: 23/0911
Hora: 14hs às 16hs
Local: Escola Estadual Maria Luiza Alves da Costa

 Abertura
Diretora da Escola
Maria Verônica Franco de Medeiros e Representante da SEEC e do IDE
Mirian Dantas de Araújo (IDE)


 Apresentação de crianças compartilhando leituras
Pré- leitura enaltecendo o Hino Nacional
Andrey Medeiros dos Santos
Flautistas:
Everton Samuel de Souza
Guilherme Pereira da Silva
Vitória Sabrina


 Participação de funcionários e famílias de alunos
Marly Quinino de M. Nóbrega
José Ronaldo da Silva


Entoação do Hino de Angicos(cidade de Marilu) na voz de Aparecida Oliveira


 Histórias de Marilu
Fátima Franco (amiga de Marilu)
Família de Marilu


 Poemas e poesias ( escritoras potiguares)


 Encerramento
Agradecimentos


 Visita á Biblioteca e Reencontro com a Sala de Leitura Flauzineide Moura


 Momento de autógrafo – Escritoras potiguares
(paralelo às visitas)


 Confraternização
(Apresentação de slide do Sarau 2010)
Recitações, outras participações
Escritores Potiguares

 


Um poema para você Marilu, que Deus te abençoe,
Neidinha

***

A Marilu que eu sinto



É Marilu amor
Marilu a flor
Marilu dos olhos em esmeraldas
Uma mulher que lutou
Que amou
E todos viram
Ela não desistiu
Sentiu esperança até o fim
Que para Deus foi o começo
A salvação
A libertação das dores terrestres
Indo para o céu
Marilu alegrou-se ainda mais na presença do Senhor
A Marilu que sinto
É mulher graciosa
Marilu mãe inesquecível
Marilu irmã saudade
Marilu esposa fiel
Marilu avó lacuna
Marilu amiga lembranças boas
Eterna e singela Marilu
Agora Maria Luiza patrona de uma escola cheia de vida, alegria e garra como era Marilu
Ela que é forte e ainda consegue mesmo sem sua presença material juntar pessoas que amou e por elas foi amada
Para um reencontro de paz, harmonia, felicidade e saudade
Mas, uma saudade saudável, compartilhada com pessoas que nem a conheceram e sentem sua essência, uma saudade em forma de poesia
Que fala de sua vida de labor
Da alegria e do amor
Por ela vivenciados
Que nossas possíveis lágrimas e emoções
Cheguem aos céus, aos pés de Deus
E se transformem em oração
E em bênçãos
Bênçãos para Marilu no céu
Bênçãos para os filhos de Marilu e seus herdeiros na terra
Bênçãos para toda a família de Marilu
Benção para escola Maria Luiza
Bênçãos para todas as escolas
Bênçãos para todas as crianças
Bênçãos para todos nós
Amém?

Neidinha
11/09/11
Registros de mais alguns momentos do Sarau do Reencontro

 

 As escritoras Rubia Costa e Carmem Vasconcelos.


Hino do município de Angicos
Letra: Rita Rodrigues Palhares
Melodia: William Koppen de Oliveira


Salve Angicos cidade pioneira
Cujos nomes de heróis se proclamou
O teu solo regado com o sangue
Dos teus filhos que aqui os procriou
Exaltando também seu fundador


Angicanos predestinados (2x)
Coração e alma varonil
Conquistaste a glória
Cantarás vitória
Sempre de pé pelo Brasil


Angicanos soldados centro norte
Artilheiros cidade cidadãos
Para nós o teu nome
É uma bandeira
A bandeira da nossa redenção
Deus bem quis que marcada tu ficaste
Grandes nomes ilustres no Brasil
Caminhai e cantai com alegria
Os teus filhos que aqui te consagrou
Juventude forte e varonil


Angicanos predestinados (2x)
Coração e alma varonil
Conquistaste a glória
Cantarás vitória
Sempre de pé pelo Brasil
Agricultores, operários e doutores
Batalharam com coragem e amor
Nós queremos neste dia exaltar
Todos eles que lutaram com fervor


Angicanos predestinados (2x)
Coração e alma varonil
Conquistaste a glória
Cantarás vitória
Sempre de pé pelo o Brasil.




Brasil!


 Carmem Vasconcelos recitando "O quintal" pág. 91 do seu mais recente livro: O Caos no Corpo

 Sirlia Lima compartilhando com todos e em especial com a aluna, seu cordel " A minha amiga Luna"

 Na Sala de Leitura, escritoras e funcionários compartilham os slides do Sarau do Encontro em 2010, socializam poesias e fazem doações de livros autorais para a sala de leitura.

Aqui Socorro-vice diretora, Flauzineide-amiga da escola e Verônica a diretora sentem a tranquilidade do dever cumprido.

Outros sites publicaram:

Escola Estadual Maria Luiza viveu o Sarau do Reencontro teve como tema: "Degustação Literária" esse é o segundo sarau com presenças de funcionários, família da patrona, família de alunos, alunos, escritoras e demais convidados. Foi uma tarde de poesias, abraços, reencontros e muita emoção.


Logo daremos continuidade mostrando alguns momentos do sarau com a programação:
 Hino da cidade de Angicos e mais alguns textos socializados...

O público assistiu a tudo com emoção.

A Filha de Maria Luiza, Mara Rubia, recitando a biografia da "Patrona da escola"

 As gestoras: Profª Verônica Franco e Profª Socorro Gomes

A maior parte dos funcionários da escola esteve presente no Sarau.

 A familia de Maria Luiza (Marilu) se fez presente e trouxe muito amor, carinho, amizade e comunicação do bem... Mônica Alves, irmã de Marilu, falou em nome de todos os familiares.

 O momento da visita à Sala de Leitura da escola que homenageia a profª Flauzineide em  agradecimento ao compromisso e empenho na criação da mesma.

 Momento de escritoras, funcionários, poesias, conversas, união e muita amizade.

 A programação de ações da Sala de Leitora é exposta a acesso de todos e isso prova a organização das atividades ali realizadas.

 As crianças e suas famílias vieram abrilhantar o Sarau.

 A família de Marilu canta o "Hino de Angicos" emocionada e sentindo a saudade de sua terrinha natal.

 E todos formaram uma só família, aqui vemos familia de Marilu, escritoras e representantes da SEEC e IDE.

sábado, 24 de setembro de 2011

O juízo temerário - Mateus 7- versos 1 a 29

1 - Não julgueis, para que não sejais julgados.
2- Porque com o juízo com que julgardes sereis julgados, e com a medida com que tiverdes medido vos hão de medir a vós.
3 - E por que reparas tu no argueiro que está no olho do teu irmão, e não vês a trave que está no teu olho?
4 - Ou como dirás a teu irmão: Deixa-me tirar o argueiro do teu olho, estando uma trave no teu?
5 - Hipócrita, tira primeiro a trave do teu olho, e então cuidarás em tirar o argueiro do olho do teu irmão.
6 - Não deis aos cães as coisas santas, nem deiteis aos porcos as vossas pérolas, não aconteça que as pisem com os pés e, voltando-se, vos despedacem.
7 - Pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e encontrareis; batei, e abrir-se-vos-á.
8 - Porque, aquele que pede, recebe; e, o que busca, encontra; e, ao que bate, abrir-se-lhe-á.
9 - E qual de entre vós é o homem que, pedindo-lhe pão o seu filho, lhe dará uma pedra?
10 - E, pedindo-lhe peixe, lhe dará uma serpente?
11 - Se vós, pois, sendo maus, sabeis dar boas coisas aos vossos filhos, quanto mais vosso Pai, que está nos céus, dará bens aos que lhe pedirem?
12 - Portanto, tudo o que vós quereis que os homens vos façam, fazei-lho também vós, porque esta é a lei e os profetas.
13 - Entrai pela porta estreita; porque larga é a porta, e espaçoso o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela;
14 - E porque estreita é a porta, e apertado o caminho que leva à vida, e poucos há que a encontrem.
15 - Acautelai-vos, porém, dos falsos profetas, que vêm até vós vestidos como ovelhas, mas, interiormente, são lobos devoradores.
16 - Por seus frutos os conhecereis. Porventura colhem-se uvas dos espinheiros, ou figos dos abrolhos?
17 - Assim, toda a árvore boa produz bons frutos, e toda a árvore má produz frutos maus.
18 - Não pode a árvore boa dar maus frutos; nem a árvore má dar frutos bons.
19 - Toda a árvore que não dá bom fruto corta-se e lança-se no fogo.
20 - Portanto, pelos seus frutos os conhecereis.
21 - Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus.
22 - Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitas maravilhas?
23 -E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniqüidade.
24 - Todo aquele, pois, que escuta estas minhas palavras, e as pratica, assemelhá-lo-ei ao homem prudente, que edificou a sua casa sobre a rocha;

25 - E desceu a chuva, e correram rios, e assopraram ventos, e combateram aquela casa, e não caiu, porque estava edificada sobre a rocha.
26 - E aquele que ouve estas minhas palavras, e não as cumpre, compará-lo-ei ao homem insensato, que edificou a sua casa sobre a areia;
27 - E desceu a chuva, e correram rios, e assopraram ventos, e combateram aquela casa, e caiu, e foi grande a sua queda.
28 - E aconteceu que, concluindo Jesus este discurso, a multidão se admirou da sua doutrina;
29 - Porquanto os ensinava como tendo autoridade; e não como os escribas.

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

A felicidade de termos o Senhor como nosso pastor - Salmo de Davi. Sl 23 versos 1 a 6.

1- O Senhor é o meu Pastor, nada me faltará.
2- Deitar-me faz em verdes pastos, guia-me mansamente às águas tranquilas;
3- Refrigera a minha alma, guia-me pelas veredas da justiça por amor do seu nome,
4- Ainda que eu andasse pelo vale da sombra da morte não temeria mal algum, porque tu estás comigo, a tua vara e o teu cajado me consolam;
5- Preparas uma mesa perante mim na presença dos meus inimigos, unges a minha cabeça com óleo, o meu cálice transborda;
6- Certamente que a bondade e a misericórdia me seguirão todos os dias de minha vida, e habitarei na casa do Senhor por longos dias.

A conversa que me levou a postagem anterior lembrou-me mais histórias de mamãe que foi para Deus em 1961 levando nos braços um filho e muito ainda a nos ensinar... Ela foi a óbito em uma operação cesariana, mas o fato é que em apenas nove anos de convívio aprendi muito com ela (e com papai também, convivi com ele até os 17 anos, e Deus o levou, depois eu conto os ensinamentos que ele me deu ). Mamãe dizia que um banho de mar lava até a alma. Nossas férias eram todinhas na praia de Upanema em nossa cidade Areia Branca, uma maravilha, liberdade total: Mergulhos nas ondas, cata búzios, castelos de areia, uma delícia...ô saudade! Mas ela ensinava que a gente ao adentrar o mar abrisse os braços como se fosse abraça-lo, e com muito cuidado e lentamente ultrapassasse três ondas, e dissesse em voz alta três vezes assim:

Valei-me mar sagrado!
Vim te visitar,
Se doenças trago comigo,
Saúde quero levar.


Desconheço a autoria se alguém souber de fonte certa por favor me informe.
 Agora de uma coisa eu tenho certeza e me lembro muito bem, nós saíamos do mar leves como uma pluma de um pequeno pássaro, rsrsrs, também pudera o banho de mar, é muito relaxante não é verdade? mas  não custa nada fazer a parceria com a crendice, afinal o mar é natureza e a natureza é Deus, então vamos recitar a oração?

E para acalmar a saudade, uma poesia em louvação à minha terra e tudo de bom que lá existe.  Sintam como é lindo o meu mar, quer dizer o nosso mar, você é convidado(a) a ir recitar a quadrinha citada acima lá na linda prainha de Upanema...


És Meu Cantar

Por mais que busque
Viver o presente
São fortes as lembranças
Do meu lugar.
Meu passado,
Minha praia,
Minha infância,
Minha gente,
Minha mente vibra feliz a recordar.
São fortes as lembranças
Do meu mar,
De minha terra querida,
Do sal do meu lugar,
Do sol da minha praia,
Das noites de luar.
Por mais que busque
O presente,
É na lembrança
Que acalento
A saudade
De minha terra querida,
Areia Branca, tu és meu cantar!

Este poema está junto a outros de poetas potiguares, lá na Praça da Cultura no Canto do Mangue nas Rocas- Natal

Flauzineide de Moura Machado
Natural de Areia Branca/RN

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Hoje em conversa com a poetisa Geralda Efigênia eu recitei uma quadrinha antiga que aprendi com minha mãe há 52 anos atrás, sempre que a gente perguntava esse mês é de trinta ou de trinta e um? ela recitava a quadrinha, mamãe achava que assim não esqueceríamos mais, e assim foi, nunca esqueci. Se tem autor eu desconheço por isso não escrevi o nome, se alguém souber por favor me informe. Geralda gostou pois ajuda a saber quantos dias tem os meses, e eu compartilho com os que interessam aprender.Vejam:

Trinta dias tem setembro,
Abril, junho e novembro
De vinte e oito só há um
Todos mais tem trinta  e um

Ontem conversei com Rubia, ela me disse que nasceu em Natal, mas passou boa parte de sua vida em Angicos, terra de seus pais, avós e toda família, ela me disse também que ama, adora Angicos. Assim sendo podemos dizer que Rubia é natural de Natal e angicana por adoção, portanto Angicos é também sua terra natal de coração.

                                                      Nesta foto Mara Rubia e sua arte.

Uma saudade de Rubia: Momentos compartilhados com uma prima muito querida em Angicos que aqui ela descreveu tão bem.
Vamos ler o texto?

Cacá

Paisagens exóticas cheias de xique-xiques e grandes pedras enfeitando a estrada... Na ida ou na chegada da City.
Alegra-me relembrar as nossas travessuras, quando juntas trilhávamos a mesma reta, escalávamos as mesmas pedras escorregadias do rio.
Éramos felizes ao desfrutarmos muitos sonhos, em correr ladeira abaixo e ter apenas sobre nossas cabeças o sol de muitos graus...
Nossas brincadeiras infantis, vigiada de perto apenas pelo imponente pico, transformávamos em plumas a voar no coração do Rio Grande. Tínhamos uma cidade inteira para nós, mas na maioria das vezes preferíamos o quarto de brinquedos, onde lá estavam muitas bonecas, seus vestidos e os olhos de Suzé, câmeras a nos monitorar. Belos tempos! Belos dias recheados com doce de leite dos bons.
Todas essas ternas lembranças servem somente para poder falar em você, uma breve apresentação, assim como a introdução de um belo livro de história...
Sem evidentemente querer desvendar absolutamente nada, apenas me propor a falar de sentimentos, porque enigma será sempre a grande alma poetisa.
Entre chupetas coloridas, muitos livros, histórias contada ao som de vitrola, rabiscos na pele tatuados, poses para fotos em cima do telhado, gritos entre risos só para chamar atenção de algum desavisado, engatinhar perigosamente pela linha do trem, enfim, todas essas travessuras não podem ainda saber de nós, nem de você...
E ainda daqueles dias, trago a saudade que aprendi a dosar, nem mais nem menos, apenas na medida certa para me fazer relembrar o riso solto, às vezes quase um soluço...
Hoje o riso ainda é fácil, só não é largo mostrando a alma, nem faz lembrar um soluço. O tempo passa e nossa alma vai se burilando, assim como os diamantes quando lapidados, muito embora diamantes sejam sempre diamantes, brutos ou não... Então, mesmo hoje não sendo mais dada a grandes gargalhadas soltas a essência da poetisa não é de toda polida, pois a grandeza da sua essência está sempre em mutação... É quase imaculada.
Acredito que só quem traga o ópio misterioso das deusas sabe a medida exata do desabrochar... Eu te percebo assim, te percebo em todas essas e muitas outras lembranças, não pela empatia e admiração que tenho, mas pela transparência do seu silêncio...
Ainda da infância livre, trago à memória o medo, medo de assombração, bicho papão, mula sem cabeça, papangus e alma penada, perigos do nosso universo que eram apenas imagináveis e culturalmente construídos, mas pareciam-nos tão grandes e tão tenebrosos que não posso ignorá-los... Agora com o passar de muitos dias, entendo muitas coisas, entendo a dimensão de tudo isso que ficou para trás, que está na minha memória cristalizada, percebo que crescemos e nos tornamos outra ou outras pessoas devido às muitas fases já vividas... Mas as meninas de muitos sonhos sobreviveram a tudo que foi escuro, porque só os iluminados são os seres que não desejam brilhar sozinhos e assim como vaga-lumes dão suas pistas mesmo quando precisam se esconder. Sabemos disso não é mesmo?...
Então, aproprio-me da máxima: Antes tarde do que nunca, para assim trazer a minha versão de você e em síntese dizer: Você é luz no breu...

Autora: Mara Rubia Alves da Costa


Mais sobre Mara Rubia aqui:
http://rubycosta.blogspot.com/2009/01/caca_07.html#comments

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Primeira Epístola Universal de Pedro – Cap. 1 ver. 3 ao 7

A esperança e a salvação

3 - Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo que,segundo a sua grande misericórdia, nos gerou de novo para uma viva esperança, pela ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos.
4 – Para uma herança incorruptível, incontaminável, e que não se pode murchar, guardada no céu para vós.
5 – Que mediante a fé estais guardado na virtude de Deus para a salvação, já prestes a se revelar no último tempo,
6 – Em que vós grandemente vos alegrais, ainda que agora importa, sendo necessário que estejais por um pouco contristados com várias tentações,
7 – Para que a prova da vossa fé muito mais preciosa do que o ouro que perece e é provado pelo fogo se ache em louvor, e honra, e glória,  na revelação de Jesus Cristo;

Maria Avani Celestino Cirino, poetisa e cordelista potiguar de Caiçara do Rio dos Ventos/Rn, mais uma escritora que vem enriquecer nosso projeto Difusão da Literatura Feminina Potiguar. Seja bem vinda Avani!

Aqui Avani participando junto aos alunos, das comemorações que a E. E. Izabel Gondim prestou às escritoras potiguares por ocasião das comemorações de aniversário do bairro Rocas em Natal/RN.

 O nosso Rio Grande do Norte é mesmo muito rico em todas as áreas só precisamos conhecê-lo mais, muito mais. Abro esse espaço aqui para falar no que se refere à literatura feminina potiguar, quase todo dia estamos encontrando mulheres que escrevem e contam suas histórias que são lindas e diversificadas, e assim vão caminhando por emoções, saudosismos e por ai vão contemplando vários estilos e assim, às vezes, sem querer, sem saber, e sem intenção, elas vão também contando a história do RN, cada uma fala de sua família, da praça de sua cidade de origem, de seus professores, de sua religião, de sua escola querida, da pessoa que cuidou de sua infância, de uma árvore que lhe deixou saudade, de sua prainha, de sua calçada, e por ai vão politizando, sentido saudade, contando e recontando suas histórias.... Se formos juntar as histórias dessas mulheres estaremos contando não um pouco, mas um muito de nossa história potiguar. É com prazer que compartilho com vocês um pouquinho da rica literatura de cordel da cordelista Avani Cirino, vamos saber mais dessa potiguar de Caiçara do Rio dos Ventos?


Maria Avani Celestino Cirino, nascida em Caiçara do Rio dos Ventos-RN, em 30/05/1959. Filha de Olímpio Celestino e Isabel Celestino da Conceição, já falecida. Casada com José Carlos Cirino, mãe de dois filhos: Carlos Auricelli e Cláudio Aurecellis. Concluinte do Ensino Médio, na Escola Estadual Ana Julia – Zona norte.
Obras publicadas: Rimando com a verdade; passe o tempo e conheça histórias reais, e Rimando com a verdade – volume 2. Ela é evangélica da Igreja Batista no Parque dos Coqueiros – Zona norte de Natal/RN.

*********

(Nessa foto acima Avani participa do "Café Literário" na Sala de Leitura Flauzineide Moura da E. E. Izabel Gondim nas Rocas. Ao lado de Avani está também participando a cordelista e poetisa Sirlia Lima).

******

O livro é um amigo


O livro é um amigo
Que pode lhe ajudar
Seja qual for o momento
Seja qual for o lugar
E o que você precisa
Simplesmente é consultar.


O livro é amigo
E ninguém pode negar
O livro, livro dos livros
Você tem que acreditar
Falo da Bíblia sagrada
Que é primeiro lugar.


Na Bíblia você descobre
Um Deus que é criador
Nela tem todas as dicas
Pra você ser vencedor
Ela é feita para o leigo
E também para o doutor.


Temos o dicionário
Que é um grande professor
Lhe corrige com carinho
Por isso lhe dê valor
Ele é capaz de fazer
De você um locutor.


Quando há dificuldade
Para você escrever
Ele é um bom convite
Disposto a lhe socorrer
Não fique tão constrangido.

Abuse do seu saber.

Temos os livros didáticos
Que não dá pra dispensar
Juntamos as disciplinas
Que servem para educar
Por isso que todo tempo
Você tem que pesquisar.


Temos livros de poesias
Livros com ilustrações
Temos livros atuai
Outros fora de ação
Mas livro, é sepre livro
Serve para educação.


Você até pode um dia
Ser um ilustre escritor
Isso não acontecendo
Sem dúvida é um leitor
E ganha conhecimento
Sem precisar ser autor.

domingo, 18 de setembro de 2011

O primeiro livro de Moisés chamado Gênesis - Capítulo 4, versos 1 a 7.

O nascimento de Caim e Abel


1- E conheceu Adão à Eva,
e deu à luz a Caim, e disse:
Alcancei do Senhor um homem.


2- E deu à luz mais a seu irmão
Abel; e Abel foi pastor de ovelhas,
E Caim foi lavrador da terra.


3- E aconteceu ao cabo de dias
Que Caim trouxe do fruto da terra
Uma oferta ao Senhor.


4- E Abel trouxe dos primogênitos
das sua ovelhas, e da sua gordura;
e atentou o Senhor para Abel e para
sua oferta.


5- Mas para Caim e para sua oferta
não atentou. E irou-se Caim forte-
mente, e descaiu-lhe o semblante..


6- E o Senhor disse a Caim:
Por que ti iraste? E por que
descaiu-lhe o teu semblante?


7- Se bem fizeres, não é certo
que serás aceito? E se não fizeres bem,
o pecado jaz à sua porte, e sobre ti
será o seu desejo, mas sobre ele
deves dominar.

*********

- Senhor nos livra da inveja, além de ser um sentimento do mal deixa as criaturas cegas e inconsequentes, livrai-nos Senhor!

Geralda Efigênia de Macedo, poetisa potiguar, natural de Cerro Corá, criada em Currais Novos e radicada em Natal/RN.

Sou mulher

Sensível, sensitivel
Forte, guerreira
Na vida
Sou mais que um corpo
Para apreciação do macho.
Sou mais que um ombro
Para escutar lamentos.
Sou mais que dar momentos.

Sou mulher
Ativa, moderna e suficiente
Para encara quão mormente
Toda e qualquer ação que vier.

Sou mulher!
Sim sou mulher
Mãe... atenta aos momentos mal dormidos
Nos choros reconhecidos de dor e desalentos,
Nas horas de incertezas de tantas primeiras vezes.

Sou mulher!
Companheira de toda hora,
Amiga das horas certas,
Esquecida das horas certas.

Sou mulher!
Pode ter certeza...
Pra o que der e vier,
Seja o frio
Seja o siso
A alegria ou a dor
Na paraíso, eternizo,
Essa dor de ser mulher.

Geralda Efigênia de Macêdo


Mais sobre Geralda venha aqui, se gostar siga:

Meus parabéns de hoje e os votos de muitas alegrias são para Geralda Efigênia, poeta potiguar e uma mulher nota 10...

Amiga você é Geral

Geral da alegria
Geral da amizade
Geral da sabedoria
Geral da solidariedade
Geral da confiança
Geral da socialização
Geral da união
Geral da complacência
Geral da esperança
Geral da felicidade

Eh! amiga, por amor você foi gera l da, na poesia você foi criada e eu encerro minha simples e sincera homenagem de hoje a você dizendo: você é ou não é nota 10?

Um beijo na sua alma,e outro no seu coração
Geral da poesia,
Geral da simplicidade
Geral da humildade
Geral da singeleza,
Geral da fé...

Pelo que vimos de suas qualidades você não é só dez não é mais muito mais minha estimada amiga.

Com carinho sua amiga,
Neidinha

Aniversário 2010/SPVA
Aniversário 2009 em minha casa
 Momento criança com nossa Ninita Lucena, poeta potiguar

 Momento respeito e admiração com o cordelista Zé Saldanha(in memória)

Momento Presidente da SPVA, fazendo entrega do Diploma de Honra ao Mérito à Vandilma, Secretária de Cultura de Parnamirim/RN.

Mais sobre Geralda aqui:
http://wwwgeraldaefigenia.blogspot.com/

sábado, 17 de setembro de 2011

Convite da Academia Virtual Sala de Poetas e Escritores - AVSPE - 5 anos compartilhando leituras...


ACADEMIA VIRTUAL SALA DE POETAS E ESCRITORES
AVSPE
QUINTO (5º) ANIVERSÁRIO – SETEMBRO 2011

CONVITE

Amados e Ilustres Poetas, Académicos e Amigos Convidados,
estamos em Setembro, glorioso mês em que se comemora o

5º ANIVERSÁRIO
da nossa amada AVSPE.

Vamos festejar a data, honrando a nossa prestigiada ACADEMIA,
Catedral da Cultura, que nos acolhe e dignifica, sob a égide da
sua Digníssima Presidente Fundadora, Poetisa Efigênia Coutinho,
que, desde há 5 anos, tal Deusa Euterpe entre nós, tange a sua harpa, incansavelmente,
em louvor da Palavra Excelsa e de seus Autores, levando-os a acompanharem-na
em coro, nos Sublimes Acordes da Poesia e da Prosa Poética.

***
Sois vós, queridos companheiros de letras, nobres Poetas e Literatos,
as estrelas deste "céu" chamado AVSPE, que iluminarão este MÊS DE FESTA
com o fulgor irradiante da vossas Letras, em Prosa ou Verso, ou mesmo em
simples, mas carinhosas mensagens.

***
O Evento decorrerá durante todo o mês de Setembro, e será editado no Livro de Visitas,
ao sabor do vosso tempo e da vossa inspiração, e ao correr da sensibilidade
das vossas penas.

***

Damos, assim, início a este MOMENTO FESTIVO, para o qual agradecemos
a vossa gentil participação, podendo desde já fazer os vossos envios
diretamente em nosso Livro de Visitas. acessando este Link:


Em 05 até 30 de Setembro, 2011
A Directora de Eventos Literários,
Carmo Vasconcelos


Efigênia Coutinho
Presidente Fundadora
Ilda Maria da Costa Brasil
Presidente
Malu Mourão
Vice-Presidente
Socorro Lima Dantas
Diretora Administrativa Interina
Socorro Lima Dantas
Diretora Jurídica
Carmo Vasconcelos
Diretora de Eventos Literários
Silvia Mota
Secretária Geral
Ilka Bosse
Relações Públicas

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Hoje 17/09 é mais um dia de comemoração e alegria para a poetisa Elizabeth Jota e toda sua familia. PARABÉNS e MUITAS, MUITAS FELICIDADES!!! SAÚDE E MUITA POESIA!!! FELIZ ANIVERSÁRIO DONA ELIZABETH!

 

SÓ DEUS...

Deus fez o astro para luzir nos ares
A meiga rola pra gemer na selva
A borboleta pra brinca na relva
A branca espuma pra boiar nos mares.

Deus fez o cisne pra vagar nas águas
O doce orvalho pra banhar as flores
A meiga esperança pra acalmar as dores
A onda altiva pra rugir nas fráguas.

Deus fez a águia pra voar nas serras
O passarinho pra cantar nos bosques
A flor mimosa pra enfeitar a terra.
Deus fez a nuvem para os céus azuis
Deus fez a virgem pra viver de sonhos
Deus fez o homem pra viver de luz.

Escrito por Elisabeth Jota - A Poetinha -

Mais sobre a poetisa Elizabeth, visite este site:

Mara Rúbia Alves da Costa – escritora potiguar de Angicos/RN. Seja bem vinda Rubia! e vamos encher o RN e o mundo com nossas histórias...

Gente, eu sou seguidora do blog de Mara há mais de um ano, sempre lendo os textos maravilhosos que ela postava e não colocava autor, muitas vezes me perguntei de quem seriam esses textos tão bem escritos, cheios de poesias, de afeto, de amor de saudades e memórias, e passava despercebido, eu pensava vou ligar para Mara e perguntar e foi ficando para mais tarde e o tempo passou, mas hoje chegou o dia, como tão bem é citado em Eclesiastes capitulo 3, versículo 1 “Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu”. Hoje liguei para Mara e perguntei, e ela numa singeleza de dar inveja a alma mais santa, respondeu: São meus... Eu fiquei maravilhada, emocionada, encantada e orgulhosa, sim porque tenho muito amor por essa família ela é composta de pessoas muito queridas por mim e Mara eu conheço desde de menininha lá em Angicos ( minha terra mãe adotiva, amo Angicos) por isso fiquei muito feliz pois sinto Mara não só uma amiguinha com vários anos de diferença de idade, como mãe que sou, sinto Mara meio filha pois como diz os mais antigos só não a vi nascer, mas a vi crescendo, eu já mocinha namorando com Alderi (saudades) que veio a ser meu marido, nós assistiamos filmes no cinema dos pais dela (Rúbens e Marilú) e Mara muito pequeniniha correndo nas calçadas, uma criança linda, livre e feliz, daí a minha felicidade de apresentar Mara como uma escritora potiguar de Angicos, e desde já digo ela não terá sossego enquanto não publicar o seu livro que certamente será repleto de crônicas excelentes, belìssimas memórias.
- Mara é com imenso prazer que lhe convidamos para ser mais uma partícipe do projeto Difusão da Literatura Feminina Potiguar, venha conosco encher esse RN de histórias. 

 

Sou simples e disposta para as boas coisas. Amo o belo, mas a minha admiração maior é na alma. Por isso eu escrevo, e como diz Clarice... "Escrevo sem esperança de que o que eu escrevo altere qualquer coisa. Não altera em nada... Porque no fundo a gente não está querendo alterar as coisas. A gente está querendo desabrochar de um modo ou de outro...” Então, eu vou desabrochando a cada dia, com esperança, determinação, amor no corazón, tecendo minha vida, tal como uma linda aranha tece a sua fenomenal teia... Escrevo, sobretudo, "Porque encontro nisso um prazer que não consigo traduzir. Não sou pretensiosa. Escrevo para mim, para que eu sinta a minha alma falando e cantando, às vezes chorando"... Romântica? Profunda? Complexa? Não sei, traduza-me...

***
Todas as Marias

Todas as Marias são belas
Brancas, pardas e amarelas,
Flor, sol e Mar...

Maria de Deus,
Maria de Mar,
Maria de muitos,
 Maria sem par,

Maria das partidas,
Maria das chegadas,
Maria lutadora,
Maria pacifista...

Maria da canção,
Maria da labuta,
Maria sem cansaço,
Maria dos Irmãos,

Maria do abraço,

Maria de muitas
Helenas, Sônias, Irleides,
 Saletes e Mônicas,
Maria Luiza, Maria virgem,
Maria Iluminada...

Maria é um dom,
Maria é um som e
De todas as Marias, duas me são especiais
Maria mãe de Deus,
Maria mãe de MARA.


Autora: Mara Rubia


Visite o blog de Rubia, se gostar siga-o:

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Mara Rúbia Alves Costa, uma potiguar de Angicos/RN, mais um nome na história da litaratura feminina potiguar... Vamos conhecer?

Meu nome é de significado hebraico, amarga, amargosa... Mas na sonoridade tenho o doce das palavras, sabor de chiclete com hortelã, ou com bananaaaaa! Sou de esquisitices, de inventar desejos, mas não sou de perplexidades, sou tranquila.
Eu tenho repentes de menina boba que voa em bolas de sabão, mas a mulher que me abastece os significados é sempre (des) coberta. Coberta que aquece (des) que revela... coberta que esconde, (des) que acode...

***

Crédito da foto da própria Rubia

***


Ela
Rubía Costa
 

Uma vez ela me confidenciou que a subjetividade a fascinava, e aquilo que não dava conta da linguagem, que decorria dos sentimentos era realmente importante, por isso, não sofria com aperreios.
Disse ter o espírito inquieto, apesar de ser serena na aparência, sabia ser igual à água corrente, corrente com os seus desejos, e desejos correntes eram esperanças em correnteza, por isso ela descia as encostas.
Ela dizia coisas sábias, porque compreendia as coisas trazidas pelo vento... Sua sina, suas rimas e impressões, nem de mais, nem de menos, na medida certa, tangia o vento e o que nele se infiltrava.
Lembro dos seus movimentos suaves, mas mesmo quando movida a vendavais, a tradução da sua essência era sedução, e ela em sedução era luz, não media nada, mas analisava os estragos, e aprendia com eles, juntava os cacos, e logo a calmaria se fazia canto e sorrisos.
Das brisas ou temporais, ela exorcizava e tecia as palavras, procurava perceber as nuanças, ouvir ruídos em muitas bocas, se perceber em muitas caras, assim, munir-se de coragem e seguir nômade do seu destino.
Às vezes ela voava rasante, outras vezes tocava as nuvens, mas não atropela ninguém, aprendeu a viver com a vida, driblava os dissabores, buscava a sabedoria e pisava descalça.
Seguia protagonista do seu contraditório mundo interno, buscando caminhos que a levasse, mas que também a trouxesse para o seu mundo de letras e melodias. Olhava tudo com o seu olhar de lua e sorria, ah como ela sorria...
O som do seu acalanto podia sair dos acordes de um violão velho e tocar qualquer coração, podia sair da fumaça entre seus dentes, numa atitude politicamente incorreta, podia sair em gargalhadas ao contar histórias cabeludas para alguma alma ingênua, podia sair do seu olhar simplesmente, verde musgo.
Ela eternizou seu pensamento: o que estava escrito e não podia ser modificado, ficava cristalizado no simbolismo das palavras, mas o que podia ser modificado depois de escrito será sempre um novo começo, um frenesi.


Mara fez essa homenagem à sua mãe Marilú, que foi para glória de Deus...
Vsite o site de Mara, se gostar siga-o vale à pena, eis aqui:

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Mateus 5 versículos 1 ao 16. Vamos ler e refletir? e todas as glórias sejam dadas a Deus...

Sermão da Montanha
As bem aventuranças

1 - E JESUS, vendo a multidão, subiu a um monte e assentando-se, aproximaram-se dele os seus discípulos;
2 – E, abrindo a sua boca, os ensinava dizendo;
3 – Bem aventurados os pobres de espírito, porque deles é o reino dos céus;
4 – Bem aventurados os que choram porque eles serão consolados;
5 – Bem aventurados os mansos, porque eles herdarão a terra;
6 - Bem aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque eles serão fartos;
7 – Bem aventurados os misericordiosos, porque eles alcançarão misericórdia;
8 – Bem aventurados os limpos de coração, porque eles verão a Deus;
9 – Bem aventurados os pacificadores, porque eles serão chamados filhos de Deus;

10 – Bem aventurados os que sofrem perseguição por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus;
11 – Bem aventurados sois vós quando vos injuriarem e perseguirem e, mentindo, disserem todo o mal contra vós por minha causa.
12 – Exultai e alegrai-vos, porque é grande o vosso galardão nos céus; porque assim perseguirão os profetas que foram antes de vós.
13 - Vós sois o sal da terra; e se o sal for insípido, com que se há de salgar? Para nada mais presta senão para se lançar fora, e ser pisado pelos homens
14 - Vós sois a luz do mundo; não se pode esconder uma cidade edificada sobre um monte;
15 - Nem se acende a candeia e se coloca debaixo do alqueire, mas no velador, e dá luz a todos que estão na casa.
16 - Assim resplandeça vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso pai que está no céu.

terça-feira, 13 de setembro de 2011

Mais uma poetisa faz aniversário em setembro - Geralda Efigênia, parabéns para você neste dia 18/09.



Felicidades e muitas bênçãos Gera, a partir de hoje já te desejo:
Alegrias, realizações, paz, saúde e muitas bençãos...
FELIZ ANIVERSÁRIO!


Geralda Efigênia Macêdo, nasceu em 18 de setembro de 1958, em Cerro Corá, filha de Zé Milanêz e Nenzinha Macedo. Com um ano de nascida, foi morar na Mina Brejuí em Currais Novos, portanto o berço da sua infância e juventude foi aqui a base onde viveu todas as emoções juvenis, aqui viveu tudo. Ama a Mina Brejuí, ama Currais Novos, e aprendeu a ser natalense. Tem formação inicial em pedagogia, professora de literatura infantil, da rede municipal de ensino, orientadora pedagógica da rede estadual, ex gestora no Instituto Padre Miguelinho.

Pos graduação em Orientação Pedagógica para o Novo Ensino Médio, E Elementos da Antropologia. Participação como pesquisadora da CNPQ da base de pesquisa Formação e Profissionalização Docente da UFRN, sob a coordenação do Prof. Dr. Isauro Beltran Nunez - 2006. Objeto de estudo: Sindicatos Docentes. Trabalhos publicados: Artigo sobre a representação dos professores e as formações docentes, apresentadas no XIII ENDIPE – Encontro Nacional de Prática de Ensino em Recife /PE ano 2005. O mesmo artigo apresentado no seminário de pesquisa do CCSA –Anais/ Universidade, Direitos e Diversidade da UFRN, ano 2006.
Livro Publicado: Antologia Literária Infantil – trabalho sistematizado com seus alunos do 2º ciclo da Escola Ary Parreiras.
Publicação de Cordel: O Cotidiano da Escola Municipal Mareci Gomes- Passo da Pátria-Natal/RN.
Representante do DCE no Centro de Ensino Pesquisa e Extensão- CONSEPE DA POS GRADUAÇÃO no ano de 2005.
Participação como Delegada no XXIX Congresso Nacional dos Trabalhadores em Educação, em Brasília – janeiro 2005.
Participação como Representante do Diretório Central de Estudantes- DCE/UFRN, na Bienal da União Nacional de Estudantes -São Paulo/SP - 2005.Tema do Encontro: Soy loco por ti América.
Representante do Sindicato dos Trabalhadores em Educação/SINTE na 1º Conferência Estadual de Educação – 2007.
Votos de Congratulações da Câmara Municipal de Natal pelo lançamento do Projeto Poesia na Escola: a arte de ler e escrever poesias – ano 2003.
Participação no Seminário Estadual de Políticas Para a Educação Profissional – 2005.
Membro dos Poetas del Mundo.
Ex -Presidente da Sociedade dos Poetas Vivos e Afins-SPVA/RN
Desenvolve projetos com poesia nas escolas que leciona, coordenou o Projeto Poesia na Escola.
Trabalhos publicados:
Antologia Literária Infantil e Literatura de Cordel:
O cotidiano da Escola Municipal Mareci Gomes. Tem poesia publicada na V Antologia Literária da SPVA/RN, 2007


Quem eu sou.. eu sou eu... eu sou...


Eu sou Geralda Efigênia
Formada em pedagogia,
Professora há muitos anos
Lidando com a poesia.

.Nasci em Cerró Corá
De onde saí criança,
Com um ano de idade
Portanto não há lembranças
Foi Currais Novos leitores
O berço da minha infância..

Sou fruto de um poeta
Que sempre em versos escreveu
Rimando e metrificando
O pensar que Deus lhe deu
E encantando multidões
Em quanto em terra viveu..

Seu nome Zé Milanez
Poeta sindicalista
Eu não tenho o seu talento
Mas também sou progressista
E admiro o talento
Do poeta repentista.

Sou mãe de Arthur e Edinho
Duas pérolas de valor
Arthurzinho está no céu
Assim Deus determinou
E Edinho é minha força
Meu futuro, meu vigor..

Na rima, vivo buscando
Sempre me aperfeiçoar
Tudo que escrevo, tento
Rimar e metrificar
E colocar a paixão
Na hora de versejar.

Aqui convido os amigos
Para vir compartilhar
Comigo deste ambiente
Que faz-me emocionar,
O local onde os poetas
Aos sábados vêm se encontrar;

É uma sociedade
De estilos bem diferentes
Os poetas que a compõem
Tem o dom em suas mentes
De encantar os visitantes
Com poemas divergentes.

Neste espaço de cultura
Sinto-me realizar
Ouvindo o Zé Martins
Com seu verso popular
A sua casa de taipa
Com emoção declamar.

Mery Medeiros, um ícone
Tem histórias pra contar
Linda é sua trajetória
Faz a gente se alegrar
Com Emanoel, Arlete,
Jania, Grilo e Twovar.

E muitos outros poetas
Que merecem ser lembrados
Que encantam os visitantes
Com poemas recitados
A quem peço o perdão
Não terem sido citados.
É que a rima me falta
E o pensar me escondeu
O nome de alguns deles
A velha cuca esqueceu
O fôlego ja me faltando
A lembrança arrefeceu.

Com amor e lealdade
Eu peço a Cristo Jesus
Uma benção especial
Cheia de Paz e de Luz
Aos colegas meu obrigado
Por terem me escutado.

Mais sobre Geralda venha aqui: