quarta-feira, 25 de março de 2009

Homenagem à poeta Lúcia Helena Pereira

A Escola Municipal Dalva de Oliveira através da professora Cyntia Menezes presta uma justíssima homenagem para a grande e amada poeta Lúcia Helena, ela que sempre participa de eventos literários e culturais, a simpática e elegante poeta fez a festa junto às crianças. Eh, cara colega, são momentos como esses que nos fortalecem e nos fazem muito felizes...PARABÉNS!!!
Confiram alguns momentos:






MOTIVOS

Lúcia Helena Pereira


Quando o orvalho escorregar da pétala de uma rosa - é um motivo!
Quando um pássaro emplumar seu alto vôo - é um motivo.
Quando teus passos ganharem a distância dos caminhos - é um motivo.
Quando teus lábios desejarem beijos - é um motivo.
Quando teu corpo estremecer de frio e desejo - é um motivo.
Quando o ar te faltar e buscares o meu - é um motivo.
Quando a tristeza chegar e pedires minhas alegrias - é um motivo.
Quando teus olhos avistarem as primeiras estrelas nos véus da noite:
- é um motivo.
Quando teus gritos emudecerem e encontrares a minha voz - é um motivo.
Quando as portas se fecharem para ti e um novo abrigo surgir - é um motivo.
Quando não mais souberes fazer poesia - é um motivo.
Quando as chuvas intempestivas invadirem teu barraco - é um motivo.
Quando as lembranças da infância cercarem - te: é um motivo.
Quando a dor anunciar um sofrimento maior - é um motivo.
Quando todos os motivos não puderem resolver os teus problemas
E restar, uma palavra boa, um doce sentir e uma promessa de afeto,
Terás motivos para reconstruir o teu mundo e sorrir novamente.
Afinal, simbolizas o mais belo motivo,
O motivo de todos os motivos!




Um comentário:

" Poetisa dos Ventos" disse...

A Cônsul Poeta Del Mundo de Cearámirim

Lucia Helena Pereira

L lanço fora a saudade que em meu coração fez morada

U urdindo a dor impregnada, tocando as eras do amanhã

C colho lágrimas apaixonadas encontrando-a na estrada

I indo a busca do passado. Incensam meus versos romã

A aspirando olor das Palmas, que enfeitam a caminhada.



H Hélios e Vesta se abraçam descortinando esse véu

E entre nuvens e estrelas, sob o manto das mensageiras,

L luzindo Lírios, a flanar anjos. Seres habitantes do céu

E entoam canções oníricas e tecem guirlandas trigueiras

N na plenitude dos Poemas que nos unem a ouvir Ravel

A compor rimas, calçando alento as Poetisas fagueiras;



P perolizam gotas de chuva a gotejarem calmos da soleira

E enquanto revolucionam princípios abrandam a inquietude,

R resvalam Ser e deleitam-se! Versos a lua companheira

E elegias ao mar e aos Ventos solam nos textos em alaúde,

I intimando desvendar átomos da amada Poesia alvissareira

A abduzem moldes de outrora nas letras que sopram amiúde.




' A Poetisa dos Ventos"
Cônsul Poeta Del Mundo-RN
Sociedade dos Poetas Vivos e Afins do RN
Cercle Univ. Ambassadeurs de la Paix


Tel: 084- 8722-2408
Natal - Brasil