segunda-feira, 30 de março de 2009

Homenagem Justíssima, PARABÈNS!!!

A Poeta, Escritora, Pesquisadora, Presidente da Academia Feminina de Letras do RN, Idealizadora e Diretora do Memorial da Mulher Potiguar, Professora Zelma Bezerra Furtado de Medeiros, receberá uma justíssima homenagem na Praça da Cultura do Canto do Mangue na Ribeira, que funciona sob a organização do Poeta Jaécio
O evento acontecerá dia 04 de abril a partir das 19h, vamos lá vivenciar bons momentos poéticos e junto com a homenageada usufruir da beleza da noite de pura poesia.

Para você minha amiga, flores, felicidades e muitas realizações em seus projetos.

Um comentário:

" Poetisa dos Ventos" disse...

A Poetisa Zelma Furtado.


Z Zaratrusta assim falou ao Mestre Câmara Cascudo,
E eu concordo com ele, ditirambo solado da história
L lima da pedra bruta, Zelma Furtado mulher escudo!
M mantém viva tantas mulheres acordando á memória,
A porta voz de nosso círculo, entoa seu canto noturno!

B balbuciando abecedário que sola mais valia em glória
E estendendo as mãos aos olhares abjetos e soturnos.
Z zênite da sabedoria, percorre adjetivos da desmemoria
E estiliza o Memorial da Mulher Potiguar e os insumos
R rutilantes de o intenso vozear em sua convocatória,
R regala a posteridade o encanto mensurado dos fumos
A abismados, no doar a plenitude a revoada ilusória...

F furtando da noite a insônia, a traçar de nos os rumos;
U ultimando sonhar, a fazer jus à viagem, versa dedicatória
T tatuando-nos na fonte borbulhante dos tantos mundos...
A acepção da Academia Feminina de Letras na oratória
D diviniza Mulheres Poetisas adornando-as de presságios
O ovacionando as linhas impressas no brotar das inglórias.

D desejando ver brilhar nos céus dos anos, os estúrdios
E estiados no perdurar eleito por Heráclito a convocatória...

M miríades cintilantes, nacaro de verbos ancestrais lúdicos;
E eqüidistantes a jorrar de mananciais vividos na diretória
D dual concedido, limando as eras trilhadas por pudicos
E entremeados de anseios roucos na linguagem da vitória,
I incitada pelo Filósofo justo, a Poetisa de Poemas pulcros
R rateia as interrogações mal interpretadas na interlocutória
O olvida de si mesma, buscando passado e florindo vultos
S salientados das imagens, a ungida na presente trajetória!


“A Poetisa dos Ventos”
Deth Haak

Cônsul Poeta Del Mundo- RN
Sociedade dos Poetas Vivos e Afins-RN
Embaixadora Universal da Paz